Jovens lançam plataforma de recolha, compra e venda de roupa em segunda mão

A plataforma chama-se MyCloma e tem como missão reduzir a pegada ecológica do setor têxtil, promovendo a economia circular.

Atualmente vão parar ao lixo mais de 200 mil toneladas de roupa por ano, indicam os dados da Agência Portuguesa do Ambiente. Perante estes números, o mercado de compra e venda de roupa em segunda mão começa a ganhar adeptos. Com o objetivo de reduzir a pegada ecológica do setor têxtil em Portugal, um grupo de cinco jovens portugueses criou uma plataforma de recolha, compra e venda de roupa em segunda mão, a MyCloma.

“É uma plataforma online que tem como principal objetivo promover a economia circular através do prolongamento da vida útil da roupa, reduzindo, assim, o impacto ambiental da roupa que compramos com uma vertente social”, explica Ana Catarina Monteiro ao ECO, uma das fundadoras do projeto.

Qualquer pessoa pode solicitar um pedido de recolha de vestuário e acessórios que já não use e que pretenda vender, sem sair de casa. A recolha dos produtos para venda tem o valor de quatro euros.

Estas peças serão posteriormente validadas, fotografadas e colocadas à venda na plataforma. Caso os produtos enviados não preencham os requisitos de qualidade estipulados, o cliente tem a opção de pedir a sua devolução ou optar que a MyCloma entregue diretamente numa organização sem fins lucrativos (ONG) parceira da empresa.

Durante a primeira fase do projeto, que decorreu no mês de maio, a MyCloma já recebeu cerca de 300 pedidos de recolha, cerca de 5.000 peças, das quais doou mais de 2.000 a associações e organizações não governamentais.

“As recolhas foram lançadas dia 17 de maio e a loja online foi aberta ao público dia 28 de junho. Temos tido bastante adesão quer a nível de recolhas, quer a nível de vendas, já vendemos cerca de 50% do stock com que abrimos a loja”, destaca com orgulho a fundadora, Ana Catarina Monteiro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Jovens lançam plataforma de recolha, compra e venda de roupa em segunda mão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião