Escócia mantém quarentena para chegadas de Portugal e Espanha

  • Lusa
  • 8 Julho 2020

Depois do Reino Unido, também a Escócia decidiu manter Portugal na lista de países cujos cidadãos têm que cumprir quarentena quando regressarem ao país.

Portugal e Espanha foram excluídos da lista de 39 países isentos de quarentena na chegada à Escócia, a qual inclui França, Alemanha, Grécia, Holanda, entre outros, anunciou esta quarta-feira a primeira-ministra escocesa, Nicola Sturgeon.

“Esta foi uma decisão muito difícil, mas espero ter mostrado hoje, foi feita com base em evidências e motivada apenas pela determinação em proteger a Escócia o mais possível de um ressurgimento deste vírus”, afirmou.

Os países isentos foram selecionados tendo em conta a reduzida taxa de infeção com o coronavírus, explicou durante a conferência de imprensa diária sobre a crise, e adiantou que a lista será revista a 20 de julho.

“Vamos estar em contacto na próxima semana com as autoridades relevantes, bem como com aeroportos e companhias aéreas, para reunir mais informação sobre o controlo de surtos, prevalência e outras medidas de mitigação que possamos por em prática como alternativa”,

O governo britânico anunciou na sexta-feira passada uma lista mais extensa de países isentos da quarentena de 14 dias atualmente aplicada a todas as chegadas do estrangeiro, mas só afeta Inglaterra porque Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte têm autonomia em questões de saúde.

Além de Inglaterra e Escócia, também Áustria, Noruega, Dinamarca, Finlândia e Bélgica e outros países mantêm restrições aos viajantes de Portugal.

A Escócia registou mais uma pessoa morta de covid-19 nas últimas 24 horas, elevando o total para 2.490 desde o início da pandemia. No Reino Unido, segundo o Ministério da Saúde britânico, morreram até hoje 44.517, o terceiro maior número a nível mundial, atrás dos EUA e Brasil.

Portugal contabiliza pelo menos 1.631 mortos associados à covid-19 em 44.859 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

A nível global, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 544 mil mortos e infetou mais de 11,85 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Escócia mantém quarentena para chegadas de Portugal e Espanha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião