Exclusão de Portugal de corredores do Reino Unido é “bomba atómica” na economia do Algarve

  • Lusa
  • 6 Julho 2020

Empresários do Algarve alertam que “deixar Portugal de fora dos corredores aéreos constitui uma autêntica bomba atómica para toda a economia do Algarve”.

A Confederação de Empresários do Algarve (CEAL) manifestou-se esta segunda-feira surpreendida por Portugal ter ficado de fora dos corredores aéreos britânicos, classificando a decisão como “uma bomba atómica” para a economia da região.

“Deixar Portugal de fora [dos corredores aéreos] constitui uma autêntica bomba atómica para toda a economia do Algarve”, avançou a CEAL, em comunicado.

Portugal foi excluído dos corredores de viagens internacionais com destinos turísticos para os quais o Governo britânico autoriza que os cidadãos britânicos possam deslocar-se sem terem de cumprir um período de 14 dias de quarentena no regresso ao país.

Portugal não consta da lista de 59 países e territórios publicada no dia 03 julho, que inclui Espanha, Alemanha, Grécia, Itália, Macau ou Jamaica.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da CEAL, Carlos Gonçalves Luís, atribui o facto de Portugal ter sido excluído “à incapacidade demonstrada pelas autoridades portuguesas na gestão de uma matéria tão sensível”.

“As autoridades portuguesas deviam e podiam ter feito mais na defesa dos interesses económicos para evitar os enormes prejuízos que, certamente, esta decisão causará ao Algarve”, sublinhou.

O responsável adiantou que os empresários de vários setores da economia do Algarve vão reunir-se na quarta-feira, “para que seja tomada uma posição conjunta a apresentar ao Governo português, de forma a que Portugal venha a integrar os corredores aéreos ingleses”.

“É urgente que o Governo português retome as negociações com o Reino Unido na defesa dos interesses portugueses e evitar o que poderá ser uma autêntica bomba atómica para a economia do Algarve”, apontou.

Carlos Gonçalves Luís acredita que se Portugal “tiver um papel persuasivo, o Governo britânico poderá dentro de alguns dias rever a sua posição e incluir o território português nos corredores aéreos autorizados”.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 534 mil mortos e infetou mais de 11,47 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.620 pessoas das 44.129 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Exclusão de Portugal de corredores do Reino Unido é “bomba atómica” na economia do Algarve

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião