Bélgica impõe quarentena a viajantes oriundos da região de Lisboa

  • Lusa
  • 9 Julho 2020

Quem chegar à Bélgica proveniente de Lisboa poderá ser testado ao Covid-19 ou cumprir um período de quarentena por vir de uma "zona vermelha", informa o Governo belga.

As autoridades belgas incluíram esta quinta-feira a região de Lisboa no lote de “zonas vermelhas” consideradas de alto risco devido à Covid-19, o que implica uma quarentena obrigatória para os viajantes que cheguem à Bélgica oriundos da capital portuguesa.

Um dia depois de a Bélgica ter atualizado a sua lista oficial de países ordenados segundo um modelo de semáforo, em função do grau de risco pela situação epidemiológica, colocando Portugal no grupo “laranja” — países para os quais as viagens são autorizadas, mas as pessoas são sujeitas a testes e é recomendada quarentena –, as autoridades federais belgas colocaram hoje a “vermelho” três regiões específicas da Europa: Lisboa e ainda as regiões espanholas de Lérida (Catalunha) e La Mariña (Galiza).

Segundo a informação disponível no sítio de internet do Ministério dos Negócios Estrangeiros belga, as pessoas provenientes destas regiões “vermelhas” têm de realizar testes à chegada à Bélgica e cumprirem uma quarentena, mas os contornos exatos das medidas não são claros e provocam interrogações mesmo à imprensa belga, não tendo as autoridades belgas prestado para já esclarecimentos adicionais.

O resto do território português está no grupo “laranja”, no qual estão também incluídos Espanha — à exceção das duas regiões classificadas como de alto risco –, Grécia, Chipre, Dinamarca, Reino Unido e Islândia.

A lista, sujeita a revisões regulares, dá luz verde (viagens sem restrições) à Alemanha, Áustria, França, Hungria, Itália, Luxemburgo, Letónia, Croácia, Holanda, Polónia, Roménia, Eslováquia, Suécia, Liechtenstein, Lituânia, Estónia, Bulgária, República Checa, Eslovénia e Suíça.

A Bélgica interdita atualmente ligações com quatro países europeus, colocados no “vermelho”: Finlândia, Irlanda, Malta e Noruega.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 549 mil mortos e infetou mais de 12 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.644 pessoas das 45.277 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde, enquanto a Bélgica conta com mais de 62 mil casos e perto de 10 mil vítimas mortais.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bélgica impõe quarentena a viajantes oriundos da região de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião