Madeira apenas recebeu do Estado “desdém, arrogância e indiferença”, diz Albuquerque

  • Lusa
  • 9 Julho 2020

Presidente da Madeira diz que durante a pandemia o arquipélago recebeu do Estado apenas "desdém, arrogância e indiferença". "Não recebemos um centavo para coisa nenhuma. É inacreditável", refere.

O presidente do Governo da Madeira, Miguel Albuquerque, disse esta quinta-feira na Assembleia Legislativa, no debate sobre o Estado da Região, que durante a pandemia de Covid-19 o arquipélago apenas recebeu do Estado “desdém, arrogância e indiferença”.

“Como é recorrente ao longo da nossa história, quando os madeirenses e porto santenses esperavam solidariedade dos órgãos centrais do Estado, receberam destes apenas desdém, arrogância e indiferença”, disse o líder do executivo, de coligação PSD/CDS-PP, no primeiro debate sobre o Estado da Região da XII Legislatura.

Albuquerque elencou uma série de “cenas grotescas de indefinição e relutância” por parte do Governo da República relativamente à região no quadro da atual crise sanitária pública resultante da pandemia de Covid-19.

O presidente do Governo Regional referiu que, apesar da descida das receitas fiscais em 195 milhões de euros e da subida da despesa em 120 milhões de euros, “foi possível até agora, apenas com os recursos e meios regionais, manter a confiança dos empresários e minimizar os danos nos rendimentos familiares e assegurar, ainda, os avultados custos com os meios logísticos, materiais e humanos necessários ao combate à pandemia”.

“Não recebemos um centavo do Estado para coisa nenhuma. É inacreditável”, sublinhou.

Miguel Albuquerque defendeu a revisão da Lei das Finanças Regionais, do Estatuto Político-Administrativo e da Constituição porque “o Estado está a colocar a região num beco sem saída”, ao não assumir os custos da insularidade e da ultraperiferia, bem como ao não conceder os instrumentos legais para a região poder trilhar o seu caminho.

Durante o debate na Assembleia Legislativa Regional, no Funchal, o chefe do executivo lembrou a visita do Presidente da República no último fim de semana, dizendo que Marcelo Rebelo de Sousa, “como foi público, assumiu a responsabilidade de ser o interlocutor e conciliador prevalente junto das instâncias nacionais, daqueles que são os interesses vitais da Região Autónoma da Madeira, no atual e futuro quadro político”.

“Estamos à espera que não haja marcha atrás do Presidente da República porque não vamos ficar calados”, frisou.

“Da nossa parte, Governo Regional, e partidos da maioria, estaremos disponíveis para estabelecer os acordos políticos no quadro desta Assembleia, para a concretização das reformas e iniciativas legislativas necessárias para assegurar os direitos da região”, concluiu.

A Região Autónoma da Madeira conta com um total de 95 casos confirmados de Covid-19, dos quais 93 são doentes recuperados e dois são casos ativos, segundo indicou na quarta-feira o Instituo de Administração da Saúde (IASAÚDE).

Em Portugal, morreram 1.631 pessoas das 44.859 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Madeira apenas recebeu do Estado “desdém, arrogância e indiferença”, diz Albuquerque

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião