Mota-Engil recua mais de 3%. Lisboa no vermelho

Lisboa perdeu mais de 1%, replicando a tendência negativa registada nas demais praças do Velho Continente. Ações do BCP recuaram 1,39%.

Em linha com as demais praças do Velho Continente, Lisboa encerrou a penúltima sessão da semana em “terreno negativo”. A protagonizar as perdas mais significativas esteve a Mota-Engil. A Galp perdeu mais de 2% e também pressionou a praça nacional. Apenas quatro das cotadas terminaram as negociações acima da linha de água.

O índice de referência nacional, o PSI-20, caiu 1,03% para 4.430,35 euros. Nas restantes praças europeias, a tendência negativa repetiu-se, com o Stoxx 600 a recuar 0,8%, o britânico FTSE 100 a desvalorizar 1,7%, o francês CAC 40 a descer 1,1% e o espanhol Ibex a perder 1,2%. O alemão Dax ficou, por sua vez, preso na linha de água.

Por cá, destaque para os títulos da Mota-Engil, que desvalorizaram 3,10% para 1,188 euros e protagonizaram, assim, as perdas mais acentuadas da sessão, em Lisboa.

Construtora lidera ganhos no PSI-20

Também no vermelho, as ações da Galp Energia recuaram 2,48% para 14,20 euros, numa sessão em que o barril do petróleo Brent desceu para 42,48 euros. A EDP também pesou sobre a bolsa nacional, tendo os seus títulos desta cotada desvalorizado 1,54% para 4,4850 euros.

No retalho, os títulos da Sonae desceram 2,01% para 0,6335 euros enquanto os da Jerónimo Martins conseguiram fugir às perdas e somar 0,29% para 15,32 euros. No verde, destaque também para as ações da EDP Renováveis, que subiram 0,3% para 13,44 euros. Já os títulos do BCP caíram 1,39% para 0,1062 euros e pressionaram Lisboa.

No arranque da sessão, as ações da Navigator tinham estado em destaque, com ganhos de mais de 4%. A papeleira acabou, contudo, por passar para o outro lado da linha de água e fechou a perder 0,37% para 2,142 euros. Isto apesar de a Navigator ter vencido o processo judicial referente à taxa sobre as vendas de papel que tinha sido aplicada nos EUA.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mota-Engil recua mais de 3%. Lisboa no vermelho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião