Pandemia afunda M&A. Fusões e aquisições caem 23% no primeiro semestre

Negócio da Brisa contrariou a tendência no mercado de fusões e aquisições em Portugal, que registou uma quebra de 23% no volume de transações no primeiro semestre, devido à pandemia.

O mercado de fusões e aquisições (M&A) em Portugal registou uma quebra de 23% no volume de transações durante o primeiro semestre, uma redução que se deve ao impacto da pandemia do novo coronavírus.

De acordo com o relatório mensal da consultora TTR – Transactional Track Record, o mercado português registou 162 transações, entre anunciadas e concluídas, entre janeiro e junho, com um valor total de 7,58 mil milhões de euros.

O número de operações representa uma redução de 23% em relação ao primeiro semestre de 2019, isto apesar de o valor total ter disparado 47% graças à venda da Brisa a um consórcio de investidores internacionais, num negócio avaliado em mais de 2,4 mil milhões de euros.

Número de transações em queda

“O segundo trimestre foi o responsável pela reversão da tendência de crescimento que o mercado apresentava no período de incerteza gerado pela pandemia do Covid-19, já que no primeiro trimestre houve um volume de transações maior do que o do primeiro trimestre de 2019”, explica a TTR.

Foram várias as operações canceladas durante o primeiro trimestre em Portugal, destacando-se as ofertas públicas de aquisição (OPA) da Cofina sobre a TVI e do Benfica sobre a SAD e ainda a compra do EuroBic pelos espanhóis do Abanca. Entre os maiores negócios realizados, além da Brisa, contam-se ainda a venda da espanhola EDP Comercializadora por parte da EDP à Total (515 milhões de euros) e ainda a alienação da Nos Towering pela Nos à Cellnex (375 milhões)

Segundo a TTR, o setor imobiliário foi o mais ativo, tendo registado 51 operações, aumentando 28% em relação ao mesmo período de 2019. Ainda assim, sublinha a consultora, 41 das transações realizadas durante a primeira metade do ano foram concretizadas no primeiro trimestre, antes do impacto do surto do novo coronavírus.

No segmento de private equity, os fundos realizaram dez investimentos na primeira metade do ano, o que corresponde a uma redução de 60% em relação ao mesmo período de 2019. Também os fundos de capital de risco fizeram menos investimentos (27 investimentos) entre janeiro e junho.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pandemia afunda M&A. Fusões e aquisições caem 23% no primeiro semestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião