Angonabeiro exporta marca angolana de café para Portugal

  • Lusa
  • 10 Julho 2020

Angonabeiro voltou a exportar café Ginga para Portugal e prevê exportar 300 toneladas até final do ano.

A Angonabeiro voltou a exportar café Ginga para Portugal, prevendo comercializar até ao final do ano 300 toneladas para este país e a colocação dos seus produtos noutros países da Europa, anunciou a empresa.

As primeiras 56 toneladas de sacos de café em grão de um quilo saíram do Porto de Luanda na terça-feira em direção a Portugal, distribuídas por 3 contentores de 40 pés.

A empresa do Grupo Nabeiro em Angola, que já tinha feito uma experiência piloto há uns anos, prevê exportar 300 toneladas para Portugal, até final do ano, e tem em vista “a colocação dos seus produtos em mais alguns países da Europa”, segundo um comunicado.

José Carlos Beato, diretor geral regional para os mercados internacionais do Grupo Nabeiro, realçou no comunicado que o “café Ginga que será comercializado em Portugal pelo grupo Nabeiro, é destinado a clientes da Distribuição Moderna”.

“A Angonabeiro continua o seu esforço de intensificação das exportações nacionais, e mantém firme o seu plano de exportar, este ano, 1.200 toneladas de café verde para a sede do grupo em Campo Maior”, que é usado na composição dos diversos lotes produzidos pelo grupo Nabeiro, refere.

“Esta aposta no relançamento da produção de café nacional e no reforço do plano de exportação está em linha com a política de redução de importações e aumento de exportação, com o objetivo de diversificar a economia e potenciar a recolha de divisas” fomentado pelo governo angolano, acrescenta-se no comunicado.

A Angonabeiro é a empresa do Grupo Nabeiro que, desde o ano 2000, atua no mercado angolano na área do comércio e da indústria. Possui atualmente um vasto portefólio de marcas próprias e representadas de diversas categorias (cafés e chás, azeite, açúcar, vinhos, água, massas, bolachas, leite, etc.)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Angonabeiro exporta marca angolana de café para Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião