Exportações de vestuário caem 32% em maio. Máscaras e vestuário hospitalar atenuam quebra

  • Lusa
  • 10 Julho 2020

Exportações portuguesas de têxteis e vestuário caíram 32% em maio, entre as “exceções” estão as exportações de máscaras e o vestuário de proteção, que registaram aumento de cerca de cinco milhões.

As exportações portuguesas de têxteis e vestuário caíram 32% em maio face ao mês homólogo devido à pandemia e acumulam uma quebra de 18,6% desde janeiro, apenas atenuada pelo dinamismo das vendas de máscaras e vestuário hospitalar.

Segundo os dados publicados esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e tratados pela Associação Têxtil e Vestuário de Portugal (ATP), nos primeiros cinco meses deste ano o valor exportado pelo setor ficou em 1.840 milhões de euros, contra 2.260 milhões de euros no mesmo período de 2019.

Apesar da quebra generalizada na maioria dos produtos têxteis, a associação aponta entre as “exceções” as exportações de produtos relacionados com a proteção contra a pandemia de Covid-19, em particular as máscaras (incluídas nos artigos têxteis confecionados, que desde o início do ano registaram um aumento de quase 48 milhões de euros) e o vestuário de proteção, como batas hospitalares (com um aumento de cerca de cinco milhões de euros).

Em termos de destinos, as exportações para a União Europeia caíram cerca de 26%, enquanto para países não comunitários (que, neste momento, representam um quarto das exportações) subiram 14%.

Entre os destinos que mais cresceram até maio estão o Chipre (mais 4,6 milhões de euros), a Nicarágua (aumento de 1,8 milhão de euros), a Grécia, Trindade e Tobago e Cabo Verde.

Em sentido inverso, Espanha continuou a ser o destino com a maior queda (menos 228 milhões de euros), tendo também recuado as vendas para o Reino Unido (menos 26 milhões de euros), Itália (menos 17 milhões de euros), Países Baixos (menos 15 milhões de euros) e França (menos 14 milhões de euros), “todos eles considerados os destinos mais importantes para as exportações de têxteis e vestuário”.

Atualmente, a balança comercial dos têxteis e vestuário apresenta um saldo positivo de 324 milhões de euros e uma taxa de cobertura de 121%.

A pandemia de Covid-19 já provocou 555 mil mortos e infetou mais de 12,2 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal morreram 1.646 pessoas das 45.679 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Exportações de vestuário caem 32% em maio. Máscaras e vestuário hospitalar atenuam quebra

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião