Exportações afundaram 39% em maio. Culpa é da pandemia

Apesar de o comércio internacional de Portugal acusar um forte impacto da pandemia, os dados revelam já uma ligeira recuperação em maio (mês do início do desconfinamento), face a abril.

As exportações portuguesas afundaram 39% em maio, em comparação com o mesmo mês de 2019, segundo dados do comércio internacional divulgados esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE). O país começou a reabrir a economia nesse mês, mas ainda com muita da atividade económica condicionada pela pandemia.

“Em maio de 2020, as exportações e as importações de bens registaram variações homólogas nominais de -39,0% e -40,2%, respetivamente (-40,1% e -39,5% em abril de 2020, pela mesma ordem)”, revela o relatório do INE sobre dois dos meses em que Portugal foi mais afetados pelo coronavírus.

Todas as grandes categorias registaram decréscimos em ambos os fluxos. Salienta-se nas exportações, os decréscimos de Material de transporte (-54,0%, principalmente para Espanha e Alemanha) e de Fornecimentos industriais (-33,5%, principalmente para Espanha).

A maior exportadora do país — a fábrica de Palmela da Autoeuropa — foi o motor das exportações em 2019 e esteve parada devido à pandemia, pesando do lado das exportações. Já nas importações, foram os aviões em terra da TAP, bem como a paragem das refinarias da Galp Energia a influenciar.

Desse lado, o destaque vai igualmente para as diminuições de Material de transporte (-66,6%, proveniente principalmente de França), de Combustíveis e lubrificantes (-78,7%), justificado sobretudo pelo encerramento das refinarias nacionais e de Fornecimentos industriais (-32,6%, proveniente sobretudo de Espanha).

Assim, o défice da balança comercial de bens diminuiu 722 milhões de euros face ao período homólogo, atingindo 908 milhões de euros.

Apesar de o comércio internacional de Portugal acusar um forte impacto da pandemia, os dados revelam já uma ligeira recuperação em maio (mês do início do desconfinamento), face a abril (em que o país esteve praticamente paralisado).

No que respeita às variações face ao mês anterior, em maio de 2020 as exportações e as importações aumentaram respetivamente 14,4% e 5,2% (-33,7% e -32,5%, pela mesma ordem, em abril de 2020)”, explica o INE. “No trimestre terminado em maio de 2020, as exportações e as importações diminuíram respetivamente 30,8% e 30,6%, face ao trimestre terminado em maio de 2019”.

Fonte: Instituto Nacional de Estatísticas

(Notícia atualizada às 11h24 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Exportações afundaram 39% em maio. Culpa é da pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião