Refinarias da Galp deverão retomar produção durante o mês de junho

  • Lusa
  • 2 Junho 2020

Depois da suspensão em abril e maio devido à dificuldade de escoar os combustíveis, as refinarias da Galp em Matosinhos e em Sines deverão retomar a produção em junho, disse fonte oficial da empresa.

As refinarias da Galp em Matosinhos e em Sines devem retomar a produção em junho, depois da suspensão em abril e em maio, respetivamente, devido à impossibilidade de escoar os combustíveis, face à redução do consumo provocada pela pandemia.

Questionada pela Lusa sobre a retoma da produção nas duas refinarias, fonte oficial da petrolífera disse que “a Galp está a monitorizar a evolução da conjuntura do mercado nacional e internacional, sendo expectável que a retoma da produção possa ocorrer durante o mês de junho, estando assegurada a operação logística de abastecimento ao mercado nacional”.

Na mesma resposta, por escrito, fonte da empresa adiantou que “o ajustamento planeado do sistema refinador da Galp, anunciado no final de abril, está a decorrer conforme o programado”.

Em 20 de abril, a petrolífera liderada por Carlos Gomes da Silva anunciou a suspensão da atividade durante pelo menos um mês na refinaria de Sines, a partir de 04 de maio – que se completa quinta-feira –, depois da paragem da fábrica de combustíveis na refinaria da Matosinhos, no distrito do Porto, por impossibilidade de escoar os produtos produzidos, na sequência da redução do consumo provocada pela pandemia de covid-19.

Sem revelar o impacto que terá nas contas da petrolífera, a Galp justificou então a decisão com a “evolução da conjuntura nacional e internacional decorrente da prorrogação do estado de emergência”, decretado pela primeira vez em 19 de março por causa da pandemia, que impôs “medidas extremas de contenção, quarentenas cada vez mais restritivas e a paralisação da maioria das atividades económicas”.

Em abril, mês em que vigorou o estado de emergência, em Portugal o consumo de gasolina caiu 61,3% e o de gasóleo registou um decréscimo de 44,6% em relação ao mesmo período do ano passado, segundo a Associação Portuguesa de Empresas Petrolíferas (Apetro).

A associação recordou que, tal como tinha previsto na nota referente às reduções de consumo em março, “em abril elas foram cerca do triplo na gasolina (de 20,9% para 61,3%), mais do triplo no gasóleo (de 12,3% para 44,6%) e dispararam no ‘jet’ (de 34,3% para 93,4%)”.

Em termos acumulados, desde o início do ano, a quebra de consumo foi de 21,1% na gasolina e de 16% no gasóleo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Refinarias da Galp deverão retomar produção durante o mês de junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião