Recorde diário de casos de Covid-19 nos EUA congela Wall Street

Os mercados norte-americanos arrancaram a última sessão da semana ligeiramente acima da linha de água. Os investidores estão receosos face ao recorde máximo de novos casos de Covid-19, nos EUA.

Nas últimas 24 horas, foram identificados 61.790 novos casos de coronavírus nos Estados Unidos, um novo recorde diário. Em Wall Street, os investidores estão preocupados com a evolução da pandemia e temem mais atrasos no desconfinamento do país. Ainda assim, os mercados norte-americanos abriram a última sessão da semana acima da linha de água, face aos dados “encorajadores” na luta contra a Covid-19 divulgados pela farmacêutica Gilead Sciences.

O índice de referência, o S&P 500, valoriza 0,07% para 3.154,21 pontos. Também o industrial Dow Jones sobe 0,09% para 25.728,95 pontos e o tecnológico Nasdaq arrancou preso na linha de água.

De acordo com o balanço divulgado pela Universidade Johns Hopkins, os Estados Unidos registaram, nas últimas 24 horas, 61.790 novos casos de Covid-19, um novo recorde diário. Isto num país que já é, de longe, o que tem mais infeções em todo o mundo.

Ainda assim e segundo destaca a Reuters, a farmacêutica Gilead Sciences revelou dados “encorajadores” quanto ao uso do medicamento Remdesivir nos casos de Covid-19, garantindo estar associado a uma redução em 62% da mortalidade face ao tratamento mais comummente usado. As ações da Gileas Science estão, por isso, a somar 2,01% para 76,22 dólares.

“Os investidores estão a prestar mais atenção aos novos casos do que aos dados económicos”, explica o analista Art Hogan, da National Securities, citado pela Reuters. Deste modo, apesar do número de pedidos de subsídio de desempregado ter baixado, no início do mês, e ficado mesmo abaixo das estimativas, os investidores mantém-se receosos quanto à evolução da pandemia e às consequentes restrições nas atividades económicas.

Na sessão desta sexta-feira, destaque ainda para os títulos da Occidental Petroleum, que recuam 1,29% para 16,07 dólares. Isto em consequência dos receios em torno do impacto da pandemia na retoma económica e na procura por combustíveis.

Já as ações da Netflix subiram 3,03% para 523,16 dólares, depois de uma revisão em alta por parte do Goldman Sachs do preço-alvo das ações da gigante do streaming.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Recorde diário de casos de Covid-19 nos EUA congela Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião