Sul da Europa devia ser mais ativo face ao turismo, diz a OMT

  • Lusa
  • 10 Julho 2020

Pandemia vai afetar "seriamente" a forma de desfrutar as férias e implicar uma mudança mental, social e cultural, diz a diretora da Comissão Regional da Europa da OMT.

A Organização Mundial do Turismo (OMT) considera que Espanha e alguns outros países do Sul da Europa têm tido uma “certa tendência para a passividade” com os fluxos de turistas, em tempos de pandemia.

Estes fluxos “chegam sozinhos, quase não é preciso publicidade” e, por isso, países como Espanha, onde a OMT tem a sua sede, mas também Itália ou Grécia, deviam planear melhor e ser mais proativos, avalia a diretora da Comissão Regional da Europa da OMT, em entrevista à agência espanhola Efe.

Alessandra Priante, que participará dentro de dias no fórum virtual EURAGORA – organizado conjuntamente pela Efe e pela Lusa – sobre o impacto da Covid-19 no turismo, não duvida de que a pandemia vai afetar “seriamente” a forma de desfrutar as férias e implicar uma mudança mental, social e cultural.

“As máscaras e a distância de segurança são o contrário do que significa o turismo, que é o gosto por coisas novas, a confiança nos outros… Acontece que agora as regras dizem que devemos fazer justamente o contrário, manter a distância, não confiar nas pessoas que não conhecemos”, distingue.

A diretora da OMT afasta a possibilidade de se recuperar esta temporada de verão, porque a esta altura do ano já devia estar tudo vendido e isso não aconteceu.

A OMT calcula uma queda do turismo internacional de pelo menos 70% face a 2019 – quando, antes da pandemia, tinha previsto um aumento global de 4%.

O setor aspira a “sobreviver” para “iniciar a recuperação” em 2021, que será mais fácil para os mercados europeus nos países que já estão a abrir fronteiras, enquanto mercados de origem de turistas importantes, como os Estados Unidos, ainda não estão abertos. Mas Alessandra Priante confia que as fronteiras não vão voltar a fechar.

Na opinião da diretora, a pergunta não é quando é que o setor vai recuperar, mas, sim, como o vai fazer. “Aguardamos uma vacina, mas a recuperação não depende apenas de uma solução médica, mas, sim, de uma resposta mais holística”, observa.

No futuro, o mercado terá de estar mais interligado e precisará de um investimento substancial a longo prazo, que terá de incluir “as palavras sustentabilidade e inovação”, estima.

Depois da crise, muitos destinos e empresas terão de redefinir a sua oferta, ainda que o chamado turismo ‘low cost’ (a custo baixo) não tenha necessariamente acabado, prevê.

Priante admite que os preços de aviões, comboios e hotéis terão de subir, porque as empresas terão de tomar medidas para compensar a queda na ocupação e procurar o equilíbrio entre receitas e gastos. A dúvida é se os consumidores estarão disponíveis para assumir esses custos, destaca

A diretora da Comissão Regional da Europa da OMT antecipa que o que por certo mudará são as preferências dos clientes e o seu poder de compra, que já está a dar lugar ao crescimento de segmentos como o aluguer turístico.

A OMT, recorda, está a trabalhar com governos e agentes privados, monitorizando a situação para determinar a direção da recuperação do setor, trabalho que resultou já em recomendações globais sobre o reinício da atividade turística.

A organização está a trabalhar no incentivo de investimentos verdes e a preparar estudos sobre destinos, turismo urbano e gastronómico, entre outros, acrescenta.

A este respeito, Alessandra Priante diz que em Espanha o setor está muito bem organizado e existe uma estreita colaboração entre agentes públicos e privados.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sul da Europa devia ser mais ativo face ao turismo, diz a OMT

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião