Este é o Gino, o vaso que “limpa” a Covid com tecnologia

Processo decorre em duas fases. Primeiro os microrganismos são atraídos para a superfície do dispositivo e, depois, presos na sua armadilha. Em seguida, através de uma reação química, são destruídos.

O Gino foi desenvolvido pela Smart Separations.D.R.

É uma espécie de vaso preto que, colocado em cima de qualquer superfície, destrói vírus, bactérias e fungos que estejam no ar. Chama-se Gino e foi desenvolvido pela startup bracarense Smart Separations, incubada na Startup Braga, para higienizar o ar. O dispositivo usa uma tecnologia chamada ViraTeq que promete, entre outras tarefas, limpar o ar do SARS-CoV-2, o coronavírus.

Como funciona? O Gino é um purificador de ar com um filtro de revestimento antimicrobiano. Ainda em fase de pré-encomendas, a startup tem atualmente disponível uma campanha de crowdfunding através da Kickstarter, uma forma de garantir uma primeira produção com o apoio de uma comunidade que se mobiliza nesse sentido.

“É a solução ideal para estabelecimentos comerciais como cafés e restaurantes, escritórios e empresas, assim como para espaços dedicados à saúde e ao repouso”, explica Hugo Macedo, CEO da Smart Separations, citado em comunicado.

Com um processo que decorre em duas fases, os microrganismos são atraídos para a superfície do dispositivo e, depois, “presos” na sua armadilha. Em seguida, através de uma reação química rápida, são destruídos.

Fundada em 2013 por Hugo Macedo, a Smart Separations começou por ser uma “empresa a trabalhar na mesa da cozinha” da casa do fundador, conta a equipa no site. “Cresceu para a garagem e, desde aí, temo-nos expandido para o International Iberian Nanotechnology Laboratory (INL) e pela University de Surrey, em Guildford”, contam.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Este é o Gino, o vaso que “limpa” a Covid com tecnologia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião