Falhas de cibersegurança duplicam em Portugal com a pandemia

  • Lusa
  • 13 Julho 2020

O maior aumento coincide com o confinamento devido à pandemia de covid-19. Só no segundo trimestre foram registados 160 incidentes de phishing. Mais de um terço (37%) "afetaram o setor bancário".

O número de incidentes registados pelo Centro Nacional de Cibersegurança (CNCS) aumentou 101% no primeiro semestre, em termos homólogos, para 689, de acordo com o boletim do Observatório de Cibersegurança hoje divulgado.

“Ao longo do primeiro semestre de 2020, registou-se um aumento significativo no número de incidentes entre os meses de fevereiro e abril, ocorrendo depois uma diminuição constante entre os meses de abril e junho”, refere o Observatório de Cibersegurança de julho.

“O aumento coincide com o momento de confinamento devido à pandemia de covid-19”, sendo que, “comparando com o período homólogo de 2019, o primeiro semestre de 2020 regista um aumento de 101% no número de incidentes”, lê-se no documento. Em março tinham sido registados 138 incidentes (um aumento homólogo de 176%), em abril o número atingiu 150, o qual baixou para 138 incidentes em maio. No mês passado, foram registados 106 incidentes.

De acordo com o documento, “34% é a tendência de crescimento no número de incidentes registados pelo CERT.PT [serviço do CNCS que coordena a resposta a incidentes] no segundo trimestre, relativamente ao primeiro trimestre deste ano, de 295 para 394″. Já face ao segundo trimestre de 2019, “com um registo de 176 incidentes, verifica-se um crescimento de 124%”, refere.

No segundo trimestre foram registados 160 incidentes de phishing [ataque informático que visa pescar dados sensíveis de um utilizador], sendo o tipo de incidente mais frequente, seguido do sistema infetado por malware (68 incidentes) e do acesso não autorizado (41 incidentes). Mais de um terço (37%) dos incidentes de phishing registados pelo CERT.PT no segundo trimestre deste ano “afetaram o setor bancário”.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Falhas de cibersegurança duplicam em Portugal com a pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião