Governo mantém 19 freguesias em “estado de calamidade” e Grande Lisboa em “contingência” por mais 15 dias

O Governo vai também manter as regras determinadas para conter a propagação do coronavírus por mais 15 dias.

O país vai continuar em estado de alerta, a Área Metropolitana de Lisboa (AML) em “estado de contingência” e as 19 freguesias mais afetadas da Grande Lisboa em “estado de calamidade”. A decisão é válida por mais 15 dias. A confirmação veio da Ministra de Estado e da Presidência, Mariana Vieira da Silva, após uma reunião em São Bento com diversos autarcas destas regiões. Vão também manter-se as regras determinadas para conter a propagação do coronavírus neste período.

Embora o número de novas infeções nos concelhos mais afetados tenha diminuído, com a taxa de incidência do novo coronavírus a descer de 154 para 121 casos por 100 mil habitantes, a situação “ainda não nos deixa tranquilos para fazer outra avaliação”, disse Mariana Vieira da Silva, em declarações transmitidas pela RTP3.

“Não estamos em condições de atenuar o acompanhamento que temos feito em Lisboa”, reitera. Assim, também se mantêm em vigor as restrições impostas na Grande Lisboa, que incluem a proibição de venda de álcool nas estações de serviço, a proibição da venda de álcool depois das 20 horas e o encerramento da generalidade dos estabelecimentos às 20 horas (com a exceção, por exemplo, de restaurantes e supermercados).

A ministra sublinha também que, “em locais em que os níveis de incidência são mais elevados, é importante cumprir de forma ainda mais forte esta dimensão, em particular a dos ajuntamentos”. As limitações nos ajuntamentos são de cinco pessoas nas 19 freguesias, dez na AML e 20 no restante território nacional.

(Notícia atualizada às 18h30)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo mantém 19 freguesias em “estado de calamidade” e Grande Lisboa em “contingência” por mais 15 dias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião