Maioria dos portugueses prefere usar o carro durante a pandemia

Mais de seis em cada dez portugueses (64%) preferem utilizar o carro nas deslocações entre a casa e o trabalho, mas o autocarro continua a estar no top de preferências, revela o inquérito da Cetelem.

Com o país mergulhado na pandemia, os cuidados são redobrados e os portugueses tentam evitar multidões nas deslocações entre casa e o local de trabalho. Assim, a maioria dos portugueses continua a preferir utilizar um veículo próprio nestas deslocações, mas o autocarro continua a estar no topo das preferências no que toca aos transportes públicos.

Mais de seis em cada dez portugueses (64%) optam por utilizar carro ou mota nas deslocações entre a habitação e o local de trabalho durante a pandemia, revela o inquérito do Observador Cetelem Consumo. No que toca aos transportes públicos, o autocarro continua a ser o meio de transporte preferido dos portugueses, com 61% dos mil inquiridos a admitir continuar a utilizar, seguido do comboio (32%) e do metro (27%).

Esta era já a tendência registada no início do ano, mas tem crescido, já que antes 57% dos portugueses optavam pelo autocarro como meio de deslocação. Além disso, quase oito em cada dez inquiridos dizem que fazem as deslocações a pé (79%).

Face à pandemia do novo coronavírus, os portugueses redobraram os cuidados. Assim, entre os transportes que os portugueses menos querem utilizar durante este período estão as viaturas alugadas (95%), seguidas pelas bicicletas/trotinetes alugadas (82%), e pelos táxi/TVDE (74%).

Mas os transportes públicos coletivos também são mencionados, com 70% a dizerem que não tencionam usar metro e 63% o comboio. Já o autocarro, mantendo-se entre as três opções preferidas, é”, no entanto, o modo de transporte que mais portugueses referem querer deixar de usar, ainda que seja uma pequena percentagem (4%)”, refere o comunicado do Observador Cetelem.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Maioria dos portugueses prefere usar o carro durante a pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião