Abono de família extra vai chegar a 974 mil crianças e jovens

Em setembro, as famílias com crianças até 16 anos vão receber um abono extra. Segundo o Ministério do Trabalho, serão abrangidas 974 mil crianças e jovens.

O abono de família extra que a Segurança Social prevê pagar em setembro vai chegar a 974 mil crianças e jovens, avançou o Ministério de Ana Mendes Godinho. As regras desta medida foram fixadas, esta quarta-feira, num decreto-lei publicado em Diário da República.

Em causa está uma prestação complementar de abono de família destinada a crianças e jovens que perfaçam até 16 anos (inclusive) até ao final do ano e que se enquadrem no primeiro, segundo ou terceiro escalões de rendimentos. O apoio será pago em setembro, não exige qualquer requerimento e deverá abranger 974 mil beneficiários, destacou o Ministério do Trabalho e da Segurança Social.

O mesmo diploma reviu ainda as regras de cálculo dos rendimentos do agregado familiar para acesso a prestações sociais, de modo a incluir os valores mais recentes e a ser, consequentemente, mais sensível ao impacto da pandemia de coronavírus no bolso dos portugueses.

Passa, assim, a ser considerado o valor da remuneração registada no último mês anterior ao pedido, para efeitos do rendimento social de inserção. E no caso do abono de família, a Segurança Social vai reavaliar oficiosamente os escalões para as famílias que tenham registado uma queda abrupta de rendimentos nos três meses anteriores.

Além disso, o decreto-lei publicado esta quarta-feira prorroga automaticamente o subsídio social de desemprego até ao final de 2020, simplifica o processo de verificação da incapacidade para o estatuto dos cuidadores informais, facilita o licenciamento dos equipamentos sociais e apoia a tesouraria das instituições do setor social com uma linha de 165 milhões de euros. Isto tal como já estava previsto no Programa de Estabilização Económica e Social.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Abono de família extra vai chegar a 974 mil crianças e jovens

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião