Venda de carros na Europa trava queda para 24%

Após a quebra de 57% em maio, e depois de terem afundado 78% em abril, as vendas de automóveis voltaram a cair em junho, mas de forma bem menos expressiva.

Depois de um autêntico trambolhão nos últimos meses, em resultado das medidas de confinamento por causa da pandemia, as vendas de automóveis estão a recuperar nos mercados europeus. De acordo com dados da European Automobile Manufacturers’ Association (ACEA), registou-se uma quebra de 24% no último mês.

Após a quebra de 57% em maio, e depois de terem afundado 78% em abril, as vendas de automóveis voltaram a cair em junho, mas de forma bem menos expressiva, de acordo com dados citados pela Bloomberg (conteúdo em inglês/acesso condicionado). É um sinal de recuperação da indústria.

Este desempenho das vendas acompanha o comportamento da economia da região, que se prepara para uma forte recessão provocada pela crise pandémica. A expectativa das fabricantes de automóveis de uma recuperação rápida das vendas está a esbater-se, recaindo a esperança na recuperação nos apoios que estão a ser anunciados pelos vários países à compra de veículos novos.

Apesar das perspetivas de que os subsídios possam atenuar o impacto nas vendas, várias fabricantes estão a avançar com planos de reestruturação que passam, invariavelmente, por despedimentos.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Venda de carros na Europa trava queda para 24%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião