Lisboa segue praças europeias. Galp ampara queda da EDP

Numa sessão negativa para a generalidade das praças europeias, Lisboa recua. Grande parte das cotadas perde valor, com a Galp Energia a impedir uma descida mais expressiva.

Lisboa acompanha o sentimento negativo da generalidade das praças europeias, com a pandemia a continuar a pesar no desempenho dos mercados acionistas. PSI-20 cai, mas menos que os pares, beneficiando do comportamento positivo da Galp Energia numa sessão em que a EDP recua quase 1% após anunciar a compra da Viesgo, em Espanha.

Enquanto o Stoxx 600 cede 0,6%, a praça nacional recua 0,44% para 4.400 pontos, ainda que com a maioria dos títulos a negociarem em “terreno” negativo.

A queda da bolsa nacional não é mais expressiva por causa da subida da Galp Energia, que ganha 0,43% para 10,495 euros, num dia em que a Sonae lidera as subidas: ganha 0,78%.

Esta subida da Galp Energia “amortece” o peso da queda da EDP no PSI-20. A elétrica liderada interinamente por Miguel Stilwell d’Andrade chegou a ganhar 1% no arranque da negociação, mas segue a perder 1,05% para 4,324 euros, enquanto a EDP Renováveis recua 0,6%.

A EDP anunciou a compra da Viesgo, num negócio que vai obrigar a elétrica a avançar com uma oferta pública de subscrição de 1.020 milhões de euros, um aumento de capital social com subscrição totalmente garantida até um máximo de 309.143.297 novas ações da EDP, representativas de um total de aproximadamente 8,45% do capital social da EDP.

O preço de subscrição por cada nova ação da EDP é de 3,30 euros, o que representa um desconto de 23% face à cotação da sessão em que anunciou o negócio. Esta operação deverá, assim, condicionar a cotação da EDP nas próximas sessões.

Nota negativa ainda para as cotadas mais expostas ao mercado internacional, como é o caso das papeleiras. Navigator e Altri seguem com quedas de cerca de 0,8%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa segue praças europeias. Galp ampara queda da EDP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião