António Costa oferece máscaras portuguesas aos homólogos europeus

  • Lusa
  • 17 Julho 2020

O primeiro-ministro ofereceu um conjunto de máscaras de proteção produzidas por seis empresas portuguesas, dispostas em pequenas gavetas em caixas de cortiça.

O primeiro-ministro, António Costa, ofereceu esta sexta-feira aos líderes da União Europeia máscaras de proteção contra o coronavírus, confecionadas em Portugal e personalizadas, no início da primeira cimeira presencial em Bruxelas desde que a pandemia atingiu a Europa.

Em dia de aniversário(s) — António Costa cumpre hoje 59 anos e a chanceler Angela Merkel celebra 66 –, o primeiro-ministro português brindou os seus homólogos europeus e os líderes das instituições com presentes “made in Portugal“: um conjunto de máscaras de proteção produzidas por seis empresas portuguesas e certificadas pelo centro tecnológico Citeve, dispostas em pequenas gavetas em caixas de cortiça, também elas nacionais.

Com vários padrões, incluindo galos de Barcelos, algumas das máscaras cirúrgicas são personalizadas, tendo cada chefe de Estado ou de Governo recebido máscaras brancas com o seu nome inscrito e a respetiva bandeira nacional, semelhantes àquela que o primeiro-ministro português utiliza no primeiro Conselho Europeu presencial em Bruxelas dos últimos cinco meses.

Os chefes de Estado e de Governo iniciaram esta sexta-feira, em Bruxelas, a meio da manhã, uma cimeira que se prevê longa, durante a qual vão tentar chegar a um acordo sobre o plano de relançamento da economia europeia face à crise provocada pela pandemia.

Em cima da mesa está uma proposta formulada por Charles Michel, com base na proposta avançada pela Comissão Europeia no final de maio, de um orçamento para 2021-2027 na ordem dos 1,07 biliões de euros, associado a um Fundo de Recuperação de 750 mil milhões de euros, 500 mil milhões dos quais a serem dirigidos aos Estados-membros a fundo perdido.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

António Costa oferece máscaras portuguesas aos homólogos europeus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião