Aeroporto do Montijo vai criar polo de emprego e fixar população, diz ANAC

  • Lusa
  • 17 Julho 2020

O presidente do Conselho de Administração da Autoridade Nacional da Aviação Civil diz que o aeroporto do Montijo "irá propiciar o crescimento da área residencial e fixar população na outra margem".

O presidente do Conselho de Administração da Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC) defendeu esta sexta-feira, em Lisboa, que o aeroporto do Montijo, em Setúbal, vai criar um polo de emprego e contribuir para fixar população na margem sul do Tejo.

“O aeroporto do Montijo vai criar um novo polo de emprego, que irá propiciar o crescimento da área residencial […] e fixar população na outra margem. Uma parte das ligações necessárias entre os dois aeroportos terá que atravessar o Tejo […], mas também haverá a componente de viagem por ‘ferry’ para o centro da cidade”, afirmou Luís Miguel Ribeiro, numa audição parlamentar na comissão de Ambiente, Energia e Ordenamento do Território.

Este responsável notou também que tudo o que promova a capacidade da zona aeroportuária de Lisboa vai reduzir os voos noturnos, notando que, até junho, foram registadas 54 irregularidades neste tipo de viagens, face às 1.180 totalizadas em 2019.

Já no que se refere ao ‘birdstrike’ (risco de colisão de uma ave com um avião), o presidente da ANAC lembrou que uma “intensa vida animal” não é incompatível com o aeroporto, referindo que tudo depende “das medidas implementadas para reduzir o número de aves nas imediações” da infraestrutura.

Para Luís Miguel Ribeiro, este risco também depende do tipo de aves, uma vez que “se forem de pequeno porte” as consequências para a aeronave serão “limitadas”.

Em 8 de janeiro de 2019, a ANA e o Estado assinaram o acordo para a expansão da capacidade aeroportuária de Lisboa, com um investimento de 1,15 mil milhões de euros até 2028 para aumentar o atual aeroporto de Lisboa e transformar a base aérea do Montijo num novo aeroporto.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aeroporto do Montijo vai criar polo de emprego e fixar população, diz ANAC

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião