Diretora-geral do FMI pede mais ação para a recuperação económica

  • Lusa
  • 18 Julho 2020

"À medida que entramos na próxima fase da crise, uma ação de políticas mais aprofundada será necessária, bem como o aumento da cooperação internacional", disse Kristalina Georgieva.

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, pediu este sábado mais ação para fomentar a recuperação económica pós-pandemia, após uma reunião virtual com ministros das Finanças e governadores dos Bancos Centrais do G20.

À medida que entramos na próxima fase da crise, uma ação de políticas mais aprofundada será necessária, bem como o aumento da cooperação internacional. O plano de ação do G20 é chave para este esforço”, disse Kristalina Georgieva, no final da reunião com os responsáveis do bloco de 19 economias e da União Europeia, segundo uma nota de imprensa do FMI divulgada.

A diretora-geral do FMI realçou que devido ao impacto continuado da pandemia, “a economia mundial depara-se com uma recessão profunda este ano, com uma recuperação parcial e desequilibrada em 2021”. De acordo com a responsável, durante a reunião foi referido pelo FMI que para continuar o apoio aos países e evitar mais problemas — “particularmente ondas de bancarrotas, riscos à estabilidade financeira, desemprego alto e aumento das desigualdades” — o foco deverá estar em quatro pontos, que vão desde a saúde ao apoio aos países mais vulneráveis.

Primeiro, a resposta da saúde pública permanece a principal prioridade para proteger as pessoas, os empregos, e a atividade económica. Pelo mundo fora, os países implementaram medidas excecionais para apoiar indivíduos e trabalhadores. Estas linhas devem ser mantidas tanto quanto for necessário e, em alguns casos, expandidas”, referiu Kristalina Georgieva.

A líder do FMI destacou ainda que “o apoio das políticas orçamentais e monetárias deverão continuar até que seja possível uma saída segura e durável da crise”, alertando que “uma retirada prematura desse apoio poderia ‘desencarrilhar’ a recuperação e causar mais custos”.

Em terceiro lugar, a economista búlgara afirmou que “as políticas têm de preparar e apoiar mudanças transformadoras, dado que alguns setores podem encolher permanentemente, ao passo que outros — como os serviços digitais — se vão expandir”, algo que “vai requerer proteção social adequada, formação e assistência à procura de emprego para os trabalhadores”.

Por último, a chefe do FMI disse que os países se devem “unir para ajudar as economias mais pobres e vulneráveis, especialmente aquelas que têm uma dívida alta ou estão dependentes de setores fortemente atingidos” pela pandemia. “A Iniciativa de Suspensão do Serviço de Dívida (DSSI) do G20 foi louvável e espero que essa consideração será dada numa extensão. Adicionalmente, para a tornar ainda mais eficaz, deve ser fortemente promovida uma maior participação do setor privado e maior transparência”, realçou Georgieva.

A diretora-geral afirmou ainda que “é necessário preencher lacunas na arquitetura da dívida internacional e pensar mais acerca de alívios de dívida abrangentes para vários países”, manifestando o apoio do FMI a tais medidas.

Kristalina Georgieva considerou ainda que a crise poderá ser usada como uma “oportunidade para construir um futuro melhor para toda a gente”, ao maximizar “o potencial da economia digital”, “promover o investimento ‘verde’ [ecológico] para combater as alterações climáticas com fomento de emprego” ou “investir no capital humano para construir uma economia mais inclusiva”. “Continuaremos a apoiar os nossos países incansavelmente”, vincou a responsável.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Diretora-geral do FMI pede mais ação para a recuperação económica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião