Tavares reafirma que CMVM só soube de problemas da ESI em maio

  • ECO
  • 18 Julho 2020

O atual presidente do Montepio garante que a informação que chegou à CMVM em fevereiro de 2014 foi relativa a uma provisão de 700 milhões na ESFG e não sobre o 'buraco' na ESI

A KPMG terá revelado ao Ministério Público que a 11 de Fevereiro de 2014 informou o então presidente da CMVM, Carlos Tavares, de um buraco nas contas da Espírito Santo Internacional ​(ESI), a principal holding do GES, contaminando também o BES, que se preparava para fazer um aumento de capital, avança o Público (acesso pago), mas Tavares afirmou no Parlamento que só teve conhecimento dessa informação em maio. No entanto, num esclarecimento enviado ao ECO, o atual presidente do Banco Montepio refere que ” alegada referência a uma informação transmitida pela KPMG à CMVM em fevereiro só pode dizer respeito à determinação da constituição de uma provisão nas contas da Espírito Santo Financial Group”, de 700 milhões de euros, para garantia do reembolso do papel comercial emitido pela ESI e pela Rio Forte, de modo a dar conforto aos investidores naqueles títulos.

De acordo com a notícia do Público, apesar de ter conhecimento da situação da ESI, o atual presidente do Conselho de Administração do Banco Montepio, Carlos Tavares, disse no Parlamento que só foi informado dessa situação muito depois, mais concretamente durante o aumento de capital do Banco Espírito Santo (BES). De acordo com o mesmo jornal, a KPMG — auditora do BES e do BES Angola — revelou ao Ministério Público que se reuniu com Carlos Tavares, na altura presidente da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), informando-o desta desconformidade nas contas a 11 de fevereiro de 2014.

Contudo, em novembro desse ano, durante uma audição no Parlamento, Carlos Tavares disse que “desconhecia os factos” e que só soube “desse risco de crédito” a 10 de junho. “Há uma carta que nós recebemos a 10 de junho, que é uma comunicação muito importante dos auditores” onde está referido o “aumento da exposição do BES ao GES”, disse o atual chairman do Montepio.

Nessa altura, em maio, o BES anunciou um aumento de capital de 1.045 milhões de euros, com o pressuposto de que as contas não tinham buracos. E, no Parlamento, Carlos Tavares disse ainda que se tivesse tido conhecimento de que havia um risco de crédito da exposição à ESI para o BES “não teria autorizado” o banco a realizar aquele aumento de capital.

Nos esclarecimentos enviados ao ECO, Tavares reafirma o que afirmou no Parlamento. “No último trimestre de 2013, o Banco de Portugal, solicitou à KPMG uma auditoria de finalidade especial sobre a situação da Espírito Santo Internacional (ESI). A primeira fase deste relatório, sobre as contas de setembro de 2013, foi concluída e entregue ao Banco de Portugal (BdP) em 31 de janeiro de 2014, conforme informação recebida da própria KPMG. A existência e o conteúdo deste relatório e da sua segunda fase (abrangendo já todo o ano de 2013) apenas foram do conhecimento da CMVM em maio de 2014, que o recebeu da KPMG e do BdP nos dias 20 e 21, respetivamente”, refere. E acrescenta que “o documento foi enviado na sequência do pedido do Presidente da CMVM ao Vice-Governador do BdP, para que a informação relevante pudesse ser ainda incluída no prospeto do aumento de capital do BES”.

Carlos Tavares recorda uma entrevista do presidente da KPMG, Sikander Sattar, ao Expresso, na qual refere: “só na altura em que o prospeto [do aumento de capital do BES] foi para aprovação da CMVM é que o Banco de Portugal solicitou à KPMG que fosse enviada uma cópia do relatório da ESI à CMVM. Só nessa altura é que a CMVM conheceu o detalhe dos ajustamentos que tinham sido propostos pela KPMG em relação à ESI e as consequências disso em relação ao Grupo Espírito Santo e o ao grupo ESFG”.

(Notícia atualizada às 22h00 com declarações de Carlos Tavares).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tavares reafirma que CMVM só soube de problemas da ESI em maio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião