Dona da SIC perde 4% em bolsa com saída de Cristina Ferreira

A Impresa está a desvalorizar na bolsa. As ações do grupo de media recuam 4,01%, para 13,15 cêntimos, depois de a apresentadora Cristina Ferreira ter decidido regressar à concorrente TVI.

A saída inesperada de Cristina Ferreira da SIC está a refletir-se nas ações da Impresa. Os títulos do grupo liderado por Francisco Pedro Balsemão desvalorizam 4,01%, para 13,15 cêntimos, depois de a apresentadora anunciar a rescisão unilateral do contrato para regressar ao grupo concorrente Media Capital, cujas ações ainda não trocaram de mãos nesta sessão, continuando a cotar nos 2,34 euros.

Na sexta-feira, a apresentadora revelou à Impresa a decisão de regressar à TVI como diretora de Entretenimento e Ficção, bem como de se tornar acionista e, eventualmente, administradora da Media Capital. A notícia surpreendeu fãs e investidores, visto que Cristina Ferreira tinha contrato com a SIC até 2022.

Evolução das ações da Impresa na bolsa de Lisboa

O grupo Impresa já garantiu que vai reclamar uma indemnização, que poderá chegar aos dois milhões de euros, mas a saída de Cristina Ferreira, que era vista como um dos fatores decisivos na passagem da SIC à liderança de audiências, não passou ao lado dos mercados de capitais. Os títulos não registavam uma queda tão expressiva desde o início do mês, numa altura em que o grupo se prepara para revelar as contas do primeiro semestre, no dia 30 de julho.

O ano passado ficou marcado pelo regresso da SIC à liderança das audiências, com o Programa da Cristina, lançado no início do ano, a vencer sucessivamente as manhãs na televisão generalista. Ainda assim, desde 1 de janeiro e 2019, os títulos da Impresa acumulam uma desvalorização em torno de 7%, refletindo o impacto da pandemia que arrastou para terreno negativo uma boa parte dos ativos de risco, como é o caso das ações.

Com a saída de Cristina Ferreira, o diretor de Programas da SIC, Daniel Oliveira, já anunciou que o Programa da Cristina passará a chamar-se Casa Feliz. Numa publicação no Facebook, o responsável assegurou ainda que a empresa não vai “perder tempo com manobras que têm como objetivo semear a discórdia onde há união e estratégia”. “A SIC vive um momento de estabilidade acionista, administrativa e diretiva, com cadeias de comando muito bem identificadas e com uma visão a longo prazo no que respeita à consolidação da nossa oferta de conteúdos e à forma de os distribuir nas várias plataformas”, sublinhou.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dona da SIC perde 4% em bolsa com saída de Cristina Ferreira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião