Nas notícias lá fora: Amazon, eBay e LinkedIn

Amazon vai contratar duas mil pessoas em Espanha este ano, enquanto o LinkedIn corta 960 postos devido ao Covid-19. Adevinta compra unidade de classificados do eBay por 9,2 mil milhões de dólares.

Em Espanha, a Amazon vai abrir este ano dois novos armazéns logísticos e três estações e espera contratar duas mil pessoas, ao contrário do LinkedIn que prevê cortar 960 postos de trabalho devido à Covid-19. Em França, o ministro das finanças, Bruno Le Maire, disse esta terça-feira que o país não vai proibir a chinesa Huawei de investir, enquanto o grupo norueguês Adevinta acaba de comprar a unidade de classificados do eBay por 9,2 mil milhões de dólares, tornando-se no maior acionista.

Expansión

Amazon vai contratar duas mil pessoas em Espanha este ano

A Amazon continua a crescer em Espanha. A empresa norte-americana vai abrir este ano dois novos armazéns logísticos em Sevilha e Alcalá de Henares e três estações em Murcia, Barcelona e Leganés. Com esta aquisição a gigante americana do comércio eletrónico espera criar, ainda este ano, dois mil novos empregos permanentes em Espanha, o que aumentaria o número de colaboradores para um total de nove mil empregados, disse a empresa num comunicado. As ofertas de emprego concentram-se principalmente em posições de armazém, mas também incluem posições para engenheiros, programadores de software, cientistas de dados e especialistas em computação em nuvem.

Leia a notícia completa no Jornal Expansión (acesso livre, conteúdo em espanhol).

Finacial Post

LinkedIn corta 960 postos de trabalho devido ao Covid-19

Ao contrário da Amazon, a rede profissional LinkedIn disse na terça-feira que iria cortar cerca de 960 empregos, ou 6% da sua força de trabalho global, uma vez que a pandemia está a ter um impacto sustentado na procura dos seus produtos de recrutamento. “Quero que saibam que estes são os únicos despedimentos que estamos a planear”, disse o chefe executivo, Ryan Roslansky, numa mensagem publicada no website do LinkedIn. O LinkedIn disse que os empregados afetados por estes cortes vão ser informados esta semana e começarão a receber convites nas próximas horas para reuniões para saberem mais sobre os próximos passos.

Leia a notícia completa no Financial Post (acesso livre, conteúdo em inglês).

Reuters

Huawei não será impedida de investir em França, diz Bruno Le Maire

O ministro francês das Finanças, Bruno Le Maire, disse esta terça-feira que França não proibirá a chinesa Huawei de investir no país, ao contrário do Reino Unido que decidiu purgar o equipamento da empresa da sua rede 5G até 2027. “Não proibiremos a Huawei de investir em 5G, protegeremos os nossos interesses de segurança nacional”, disse Le Maire, à rádio France Info, acrescentando que tinha reafirmado a posição da França às autoridades chinesas na segunda-feira.

Leia a notícia completa na Reuters (acesso livre, conteúdo em inglês).

Business Insider

Adevinta compra a unidade de classificados do eBay por 9,2 mil milhões de dólares

O Ebay concordou em vender o seu negócio de anúncios classificados ao grupo norueguês Adevinta, um negócio no valor de 9,2 mil milhões de dólares, anunciaram as empresas esta terça-feira. O Ebay receberá 2,5 mil milhões de dólares em dinheiro e 540 milhões de ações do grupo norueguês, tornando-a no maior acionista com uma participação de 44% da empresa. “A Adevinta torna-se a maior empresa de classificados online a nível mundial, com uma carteira única de marcas líderes de mercado”, disse o CEO da Adevinta, Rolv Erik Ryssdal.

Leia a notícia completa no Business Insider (acesso livre, conteúdo em inglês).

Financial Times

Credores rejeitam proposta argentina mas Presidente diz ser impossível modificá-la

Os credores da Argentina rejeitaram na segunda-feira uma proposta das autoridades do país para reestruturar a dívida de 66 mil milhões de dólares (cerca de 57,7 mil milhões de euros), mas o Presidente do país considerou impossível modificá-la. “A oferta da Argentina não é suficiente face ao que os grupos de credores podem aceitar”, de acordo com um comunicado dos credores citado pela AFP, emitido a poucas semanas da data limite de 04 de agosto, fixada por Buenos Aires, para os detentores de obrigações argentinas aceitarem ou rejeitarem a proposta. Segundo a AFP, os credores não apresentaram o conteúdo da sua proposta. Em reação, o Presidente da Argentina, Alberto Fernández (Partido Justicialista, peronista), disse que é “impossível” modificar a proposta do seu Governo.

Leia a notícia completa na Financial Times (acesso livre, conteúdo em inglês).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nas notícias lá fora: Amazon, eBay e LinkedIn

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião