Mais três mortes e 229 casos de Covid-19. 75% na região de Lisboa

Foram identificados 229 novos casos de contágio pelo coronavírus em Portugal nas últimas 24 horas. Número total de pessoas infetadas sobe para 49.379.

Portugal registou 229 novos casos de infeção por Covid-19, elevando para 49.379 o número de infetados desde o início da pandemia. Trata-se de uma taxa de crescimento diária de 0,47%. Nas últimas 24 horas morreram mais três pessoas com a doença, de acordo com a última atualização ao boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Tal como se tem vindo a observar desde meados de maio, a maioria das novas infeções foram na região de Lisboa e Vale do Tejo (LVT). Assim, foram identificados 172 novos casos nesta região, o que representa 75,11% do total. Isto significa que mais de sete em cada dez novas infeções foram detetadas nesta região.

Lisboa é, assim, a região com mais casos registados até ao momento (24.857 casos de infeção e 576 mortes), à frente do Norte (18.415 casos e 828 mortes), do Centro (4.387 casos e 252 mortes), do Algarve (806 casos e 15 mortes) e do Alentejo (653 casos e 19 mortes). Nas regiões autónomas, os Açores registam 159 casos e 15 mortos, enquanto a Madeira tem 102 pessoas infetadas.

Boletim epidemiológico de 23 de julho:

Quanto à caracterização clínica, a maioria dos infetados está a recuperar em casa, sendo que 431 estão internados (menos oito do que ontem), dos quais 59 em unidades de cuidados intensivos (uma estabilização). Há 1.545 pessoas a aguardar resultados laboratoriais, enquanto 34.966 estão sob vigilância das autoridades de saúde.

Desde que a pandemia chegou a Portugal, a 2 de março, já morreram 1.705 pessoas vítimas da doença, mais três nas últimas 24 horas. Quanto ao número de pessoas dadas como recuperadas, são agora 34.369, ou seja, mais 370.

(Notícia atualizada pela última vez às 13h53)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mais três mortes e 229 casos de Covid-19. 75% na região de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião