Mapfre cresce em Portugal no volume de prémios até junho

  • ECO Seguros
  • 27 Julho 2020

A unidade ibérica gerou 81,5% do lucro consolidado até junho. Globalmente, a Mapfre SA averbou menos 10,5% de prémios no semestre. Covid-19 afetou resseguro e evolução cambial pesou no internacional.

A operação ibérica da Mapfre SA, onde se incluem Espanha e Portugal, registou quebra de 8,3% no volume de prémios de seguros comparado com os primeiros seis meses de 2019, para cerca de 3,98 mil milhões de euros e com o resultado atribuível a recuar 4,6%, para 221,2 milhões de euros, revela o balanço semestral da companhia.

Em prémios de seguros, Espanha gerou perto de 3,911 mil milhões (-8,4%), enquanto Portugal (incluindo a filial Mapfre Seguros, Mapfre Vida e negócio bancassurance) contribuiu com 66,9 milhões de euros, evidenciando ligeira progressão de 0,3% face ao semestre comparável do ano passado.

No resultado atribuível, Espanha desceu 4,5%, para 217,7 milhões (mantendo-se a fonte principal de lucros do grupo), enquanto o mercado português registou declínio de 8,8%, para os 3,5 milhões de euros. O rácio combinado da operação ibérica situou-se nos 93,8% (93,9% em junho de 2019), com o indicador de eficiência em Espanha inalterado nos 93,8% e o do mercado português a melhorar, de 98,3% em junho de 2019, para 95,9% no termo do primeiro semestre de 2020.

Assim, o resultado técnico da unidade ibérica (Vida e não Vida) foi bastante menos negativo (-29,4 milhões) do que um ano antes (-387,3 milhões de euros), com a queda em prémios de seguro, sobretudo no negócio não Vida, a ser compensada por decréscimo significativo dos gastos em sinistralidade líquida e provisões.

o grupo Mapfre SA, no seu todo, registou uma quebra de 18,8% no resultado do negócio segurador face a igual período de 2019, fechando o 1º semestre do exercício em curso com cerca de 670 milhões de euros. Esta evolução resultou de 10 514 milhões de euros em faturação (-10,5% de receitas face a um ano antes), contra 9,844 mil milhões de gastos na operação semestral, mais 9,9% do que um ano antes, indica a conta de resultados.

Espanha, EUA e Brasil deram as maiores contribuições para o lucro

No primeiro semestre e para a totalidade do perímetro de consolidação, a instituição contabilizou 271 milhões de euros de lucro líquido (atribuível à sociedade dominante), um resultado 27,7% inferior ao alcançado um ano antes, assumindo que o desempenho apresentado está “fortemente impactado pelos sinistros da Covid-19 na unidade de resseguro, por um montante bruto de 87 milhões de euros, assim como pelos terramotos em Porto Rico (83 milhões) e com a tempestade Gloria, em Espanha”, (por um custo bruto de 22 milhões de euros). Os eventos “Puerto Rico” e “Gloria” já pesavam no 1º trimestre.

Incluindo interesses minoritários, o lucro líquido do grupo ascendeu aos 406,1 milhões de euros, evidenciando declínio de 25%, refere o balanço do grupo Mapfre.

Segundo estima a companhia espanhola no relatório, o efeito da Covid-19 nas unidades de seguro é neutro para a Mapfre, em resultado da diminuição da frequência de sinistros no ramo automóvel, que compensou fundamentalmente o custo direto com falecimentos, saúde e seguros de viagem. Aliás, de acordo com os dados do exercício semestral, a unidade de seguros (abrangendo as regiões da península ibérica ; LatAm e Internacional, que inclui Eurásia e América do Norte) contabilizou incremento de 12,7% no resultado atribuível, o qual alcançou 428,6 milhões de euros e com o rácio combinado a melhorar, dos 95,9% um ano antes, para 93,8% no final de junho passado.

Por países, os resultados de Espanha (218 milhões), Estados Unidos (66 milhões) e Brasil (60 milhões) representaram as maiores contribuições para o lucro apresentado.

A receita total consolidada caiu 11,8%, para cerca de 13,28 mil milhões de euros, sendo que a fonte principal da receita do grupo (prémios de seguro e resseguro aceitado) diminuiu 12,3%, face a igual período de 2019, para os 10,98 mil milhões de euros, do qual 8,76 mil milhões de euros foram prémios líquidos não Vida, em queda superior a 9% relativamente ao período homólogo de 2019.

Covid-19 paralisou seguros gerais e ramo automóvel

Segundo explica o documento da Mapfre, o declínio no volume da receita reflete o efeito do confinamento (por covid-19) sobre a produção seguradora e a “forte depreciação” cambial nas principais moedas do mercado da América Latina (LatAm), onde o Brasil pesa cerca de metade da receita regional, e da Turquia.

De acordo com os números, os custos com sinistros declarados e relacionados com a Covid-19 superaram globalmente os 153 milhões de euros.

Decompondo a evolução global do negócio por ramos de seguro, os prémios caíram 9,4% em não Vida, recuando 12%, para cerca de 3,06 mil milhões nos seguros gerais, a parte com maior peso no ramo vida, seguindo-se o seguro automóvel (-18,6%, para 2 835 milhões) e, em terceiro lugar, Saúde e Acidentes, mas onde os prémios cresceram 13%, fechando o semestre com 1073 milhões de euros. No ramo Vida, em que a queda atingiu 22,8% (antes de resseguros), a Mapfre registou quebra de 11% em Vida Risco e de 33,5% nos prémios Vida-poupança.

Mapfre RE penalizada por pandemia e riscos globais

Globalmente, o rácio combinado da Mapfre SA agravou-se uns ligeiros 0,8 pontos percentuais (pp), ao subir de 95,9%, em junho de 2019, para 96,7%, enquanto a margem de solvência, reportada a março de 2020, se situou em 177,2%, quase 10 pp menos confortável face aos 186,8% apurados no final de dezembro de 2019.

Alargando a análise das contas às unidades de “resseguros e riscos globais”, e rubricas de “assistência, holding, eliminações e outros itens”, encontram-se razões mais substanciais para explicar a queda de quase 28% no resultado líquido semestral. Dado que o impacto da Covid-19 foi considerado neutro na atividade seguradora, boa parte da quebra de lucros explica-se pelos números da Mapfre RE, resseguradora global que inclui a atividade “global risks” e que opera também como resseguradora profissional da própria Mapfre.

No fecho do semestre, o resultado líquido da unidade de negócio foi negativo em 51,7 milhões de euros, apontando tombo de 160,9% face aos cerca de 85 milhões de euros positivos apurados um ano antes. Apesar de um incremento de 3,8% no volume de prémios emitidos e aceitados, o rácio combinado da resseguradora degradou-se, de 94,5% (junho de 2019), para os 106,7% no final de junho de 2020.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mapfre cresce em Portugal no volume de prémios até junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião