Siemens vai ter trabalho remoto até três dias por semana

O "novo normal" na gigante da indústria vai incluir dois a três dias por semana em teletrabalho. A medida tem efeito imediato para 140.000 trabalhadores, em 43 países, incluindo Portugal.

A gigante industrial Siemens, sediada na Alemanha, anunciou que o “novo normal” vai incluir dois a três dias em teletrabalho, avança a Forbes (acesso livre, conteúdo em inglês). De acordo com a empresa, esta decisão terá efeitos imediatos para mais de 140.000 trabalhadores, em 43 países, incluindo Portugal.

A Siemens refere, em comunicado, que esta decisão foi motivada pelos resultados de questionários internos, que revelaram que os trabalhadores querem mais flexibilidade e autonomia. Com esta decisão, a empresa quer reforçar a cultura corporativa e fazer mudanças no estilo de liderança interno.

“O objetivo é permitir aos trabalhadores, em todo o mundo, trabalhar à distância, uma média de dois a três dias por semana, sempre que seja possível e razoável. A crise do coronavírus e as medidas de distância social demonstraram que o trabalho independente de um local fixo é possível, e oferece mais vantagens do que inicialmente se pensava“, lê-se no comunicado de imprensa publicado na página oficial da Siemens.

“Portugal será um dos países abrangidos pela medida anunciada pela Siemens AG que define que os colaboradores da empresa podem trabalhar em regime de teletrabalho, em média, durante dois ou três dias por semana. A implementação desta medida será feita de acordo com o quadro legal do país e irá ao encontro daquelas que são as preferências individuais de cada colaborador“, confirmou fonte oficial da Siemens Portugal, num comunicado enviado ao ECO/Pessoas.

Numa publicação na rede social Twitter, o CEO Roland Busch, escreveu que “a Covid-19 dá-nos a oportunidade de transformar o nosso mundo e reimaginar o trabalho. Para incentivar os trabalhadores da Siemens a dar o seu melhor, o nosso ‘novo normal’ vai oferecer 2-3 dias de teletrabalho”.

Com esta decisão, a Siemens passa a integrar o grupo das grandes empresas do mundo a autorizar o teletrabalho no pós-pandemia, mas não é a única. Em maio, a rede social Twitter autorizou os seus trabalhadores a trabalhar partir de casa “para sempre”. O Facebook já avisou que vai estender o teletrabalho até julho deste ano, mas quem quiser pode continuar em teletrabalho até 2021 e a Google anunciou esta semana que vai estender o trabalho remoto, no mínimo, até julho de 2021.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Siemens vai ter trabalho remoto até três dias por semana

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião