Ocupação média dos hotéis em atividade nos Açores perto de 10%

  • Lusa
  • 1 Agosto 2020

Representante nos Açores da Associação da Hotelaria de Portugal diz que se mantém uma “percentagem elevada de hotéis encerrados”, mas que, ainda assim, o cenário é “ligeiramente melhor em agosto”.

O representante nos Açores da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), Fernando Neves, diz que a taxa de ocupação média da hotelaria em atividade é de cerca de 10%, em resultado da pandemia de covid-19.

O responsável afirma, em declarações à agência Lusa, que se mantém uma “percentagem elevada de hotéis encerrados”, mas que, ainda assim, o cenário é “ligeiramente melhor em agosto”, uma vez que “tem havido menos cancelamentos”.

Como as alterações estão a verificar-se “muito perto das datas de chegada torna-se difícil fazer previsões adequadas”, mas, referiu, “certamente os meses de agosto e setembro manterão uma quebra significativa em relação a 2019, na ordem dos 80%”.

Para o também empresário de hotelaria, 2020 “é um ano perdido para o turismo – muitos hotéis manter-se-ão encerrados e alguns dos que entretanto reabriram provavelmente voltarão a suspender a atividade”.

Fernando Neves refere que 2019 foi “particularmente positivo e registou subidas em praticamente todos os níveis”, com taxas de ocupação elevadas, novos investimentos no setor e indicadores muito otimistas para o futuro.

“Antes de sermos surpreendidos por toda esta situação, as previsões para 2020 eram muito positivas e preparávamo-nos para o melhor ano turístico de sempre”, afirma.

Perspetivar agora os próximos anos “é olhar novamente para um caminho longo, sujeito a todas as reviravoltas que esta pandemia ainda poderá trazer e mudanças que ainda poderá provocar no consumidor”.

Este tem, aliás, de forma já notória, “novas prioridades e novas exigências, particularmente ao nível da segurança sanitária e mesmo de atendimento, que se quer mais atento e cuidado”.

Para Fernando Neves, torna-se fundamental que as empresas mantenham a sua capacidade produtiva, na “certeza de que todo o trabalho que foi feito a nível da construção da identidade do destino Açores, e que corresponde às novas expectativas, continua intacto”.

A associação está convicta de que se parte de um ponto muito positivo: o de que “a região vai de encontro ao que será mais procurado nestas próximas fases”, ou seja, um “destino tranquilo, longe de multidões, sustentável, com uma oferta alargada de atividades ao ar livre e uma natureza exuberante”.

Ainda assim, afirma o representante, “certamente só a partir de 2022 a retoma começará a ser mais consistente”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ocupação média dos hotéis em atividade nos Açores perto de 10%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião