Partner Re reporta prejuízos semestrais e nomeia novo CEO

  • ECO Seguros
  • 3 Agosto 2020

Após semestre com perdas superiores a 200 milhões, a companhia já tem nova liderança executiva. Jacques Bonneau acumula 40 anos de experiência no setor e assume de imediato funções de CEO e presidente

O novo Chief Executive Officer (CEO) da Partner Re era, até julho, membro do Comité de Auditoria do grupo e presidente do Comité de Risco e Subscrição, e também membro do conselho de administração do grupo desde fevereiro de 2019.

Antes de chegar à Partner Re, Jacques Bonneau desempenhou funções na Chubb (1999-2017), de onde saiu quando exercia cargo de Chief Underwriting Officer, detalha a Partner Re em comunicado.

Nomeado chairman e presidente executivo do grupo, Bonneau sucede a Emmanuel Clarke, que cessa funções na Partner RE “por mútuo acordo”, para prosseguir outros desafios fora do grupo, abrevia o comunicado da companhia.

Sendo ainda controlada pela holding da família Agnelli, a resseguradora sediada em Pembroke (Bermudas) também reportou resultados financeiros.

De janeiro a junho, e embora com números positivos no segundo trimestre (em termos de lucro), a companhia contabilizou 204 milhões de dólares de prejuízo líquido no primeiro semestre, refletindo perdas de 211 milhões, por ganhos não realizados em investimentos devido à volatilidade nos mercados e variações cambiais, entre outros fatores.

Em relação com a pandemia (covid-19) incorreu em perdas adicionais de 338 milhões de dólares (antes de impostos), em grande parte contabilizadas como reservas (perdas já reconhecidas, mas não reportadas). Desse montante, 159 milhões (líquidos de retrocessão e revaliação de prémios) foram perdas na carteira P&C (propriedade e danos), ao que somam outros 164 milhões no segmento Vida e 15 milhões de dólares em Saúde.

De acordo com o comunicado, as perdas atribuem-se a coberturas de sinistros por interrupção de negócio, cancelamento de eventos, e exposição a eventos de crédito, vida e saúde.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Partner Re reporta prejuízos semestrais e nomeia novo CEO

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião