Espanha regista primeira quebra nos pedidos de subsídio de desemprego desde fevereiro

Número de pessoas que se inscreveram nos centros de emprego caiu 2,33% em julho face ao mês anterior, ou seja, menos 89.849 pessoas. Esta foi a maior queda mensal em julho desde 1997.

Espanha registou em julho a sua primeira quebra nos pedidos de subsídio de desemprego desde fevereiro, à medida que mais empresas começaram a reabrir portas após meses de confinamento imposto pela pandemia.

O número de pessoas que se inscreveram nos centros de emprego caiu 2,33% em julho face ao mês anterior, ou seja, menos 89.849 pessoas, o que significa que esta foi a maior queda mensal em julho desde 1997, como sublinhou o Ministério do Trabalho. Ainda assim, continuam sem trabalho 3,77 milhões de pessoas em Espanha, o que significa que há mais 761.601 desempregados do que no mês homólogo.

“O aumento nas contratações, o dobro do registado em abril, indicia uma forte recuperação da atividade”, sublinhou a ministra espanhola do Trabalho na rede social Twitter.

O número de desempregados diminuiu em todos os setores de atividade exceto na agricultura que registou um aumento de 5,9% devido ao fim da campanha da apanha de fruta.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Espanha regista primeira quebra nos pedidos de subsídio de desemprego desde fevereiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião