Claranet compra brasileira Corpflex. Brasil torna-se maior operação fora da Europa

Empresa portuguesa está desde 2017 no Brasil e tem mais de 200 trabalhadores nesse mercado. Quer continuar a crescer.

A portuguesa Claranet, fornecedora de soluções de cloud, hosting, redes, segurança e workplace, comprou a brasileira CorpFlex, tornando o mercado brasileiro o maior fora da Europa, em termos de operações. Em comunicado, a empresa portuguesa anuncia a aquisição da líder no fornecimento de soluções de cloud no Brasil. Os detalhes do negócio não foram divulgados.

A CorpFlex conta com clientes empresariais e corporativos em setores como os transportes, a saúde, a indústria e o agronegócio. A compra da brasileira pela Claranet dá origem à Claranet Brasil.

“Alcançamos excelentes resultados na Ibéria nos últimos quatro anos, crescemos de forma orgânica e através de aquisições, excedendo 800%, e atingimos 128 milhões de euros de receita anual. Chegou agora a altura de alcançarmos o mesmo impacto no Brasil”, explica António Miguel Ferreira, diretor-geral para a Ibéria e América latina da Claranet.

Há 25 anos no mercado europeu, a Claranet está desde 2017 no mercado brasileiro. Desde essa altura, tem como clientes nomes como a empresa de aeronáutica Embraer ou a empresa de meios de comunicação TV Globo.

“Consideramos que agora é o momento de expandir e aproveitar este mercado global tão importante. A CorpFlex é o nosso primeiro grande investimento no Brasil, o qual irá expandir o seu potencial de forma alinhada com algumas das nossas maiores operações a nível europeu”, assinala o responsável que conta com uma equipa de cerca de 200 trabalhadores no Brasil.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Claranet compra brasileira Corpflex. Brasil torna-se maior operação fora da Europa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião