Highline vai negociar a venda das operações de telemóveis da brasileira Oi

  • Lusa
  • 23 Julho 2020

O grupo brasileiro Oi concedeu à Highline a exclusividade para negociar a venda das suas operações de telemóveis após a apresentação da maior oferta para o negócio, em insolvência desde 2016.

O grupo brasileiro Oi assinou um acordo de exclusividade com a Highline para negociar a venda das suas operações de telemóveis após a apresentação da maior oferta para o negócio, em processo de insolvência desde 2016.

A Highline Brasil, controlada pela empresa norte-americana Digital Colony, ofereceu mais de 2.935 milhões de dólares (cerca de 2.534 milhões de euros), o mínimo exigido pela Oi, informou a empresa brasileira numa declaração divulgada na quarta-feira à noite, após o fecho do mercado.

“A empresa concedeu à Highline a exclusividade para negociar os documentos e anexos relacionados com a oferta, em conformidade com os termos e condições do acordo e mantendo os termos económicos da proposta vinculativa apresentada”, segundo a nota.

Com o acordo de exclusividade – que estará em vigor até 3 de agosto, com a possibilidade de prorrogação – a segurança e a rapidez das negociações entre as partes estão garantidas. Também concede à Highline Brasil o direito de cobrir outras propostas recebidas durante o litígio.

A Highline já tinha feito esta semana uma proposta para comprar a unidade torre da Oi, outro ativo à venda, por cerca de 210 milhões de dólares (perto de 181 milhões de euros).

No fim de semana, a Telefonica Espanha, através da sua filial no Brasil, apresentou uma oferta vinculativa para adquirir, juntamente com a Telecom Itália (TIM) e a Claro (México), o negócio móvel do Grupo Oi.

Ao ser apresentado como o primeiro licitante, isso garantiu-lhe o direito de igualar a melhor oferta de compra para o negócio móvel da Oi. A proposta conjunta surgiu um mês após a Oi ter indicado o preço mínimo dos seus ativos da rede móvel para os vender ao licitante que apresentasse a oferta mais alta.

A Telefonica Brasil, que opera no país sul-americano através da marca Vivo, é a líder do mercado móvel brasileiro, com uma quota de quase 33%, A Oi tem uma quota de mercado no negócio móvel brasileiro de 16,2%.

A empresa pediu a falência no Brasil em 2016 para continuar a funcionar e desde então tem procurado reorganizar com os seus credores o pagamento de dívidas no valor 12.720 milhões de dólares (10.984 milhões de euros).

No âmbito do plano de reestruturação a que se comprometeu, a Oi pretende concentrar-se no negócio das fibras óticas e nos de maior valor acrescentado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Highline vai negociar a venda das operações de telemóveis da brasileira Oi

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião