Portuguesa Ecofoot entre as primeiras 64 empresas financiadas pelo Green Deal

A empresa portuguesa está entre as 64 empresas em fase de arranque e PME (de 17 Estados-Membros da UE) eleitas para receber mais de 307 milhões de euros.

O primeiro financiamento atribuído pelo Conselho Europeu de Inovação (CEI) no âmbito do Pacto Ecológico Europeu foi dado à Ecofoot, de Guimarães, que desenvolveu a H2COLOR-AUX, um composto revolucionário que impede a hidrólise no processo de tingimento de têxteis, reduzindo assim consideravelmente o número de lavagens e os custos da água e da energia, os poluentes e o tempo de produção das tintas.

A empresa portuguesa está entre as 64 empresas em fase de arranque e PME (de 17 Estados-Membros da UE) eleitas para receber mais de 307 milhões de euros com vista a contribuir para os objetivos do Pacto Ecológico Europeu e do Plano de Recuperação para a Europa. Além da Ecofoot, as propostas vencedoras incluem desde soluções inovadoras para os setores automóvel, aeroespacial e marítimo aos materiais avançados ou às tecnologias da Internet das coisas.

O financiamento agora atribuído permitirá à Ecofoot avançar para a segunda fase do projeto de inovação, que irá aproximar a solução H2COLOR-AUX do seu lançamento comercial. Bem como executar a estratégia de propriedade intelectual e de comunicação da marca. Para já, a empresa produzirá 24 toneladas deste composto para validação interna e validação da sua eficácia com três tinturarias: duas em Portugal e uma em Itália. O projeto permitirá igualmente atividades comerciais cruciais, incluindo a

“O Conselho Europeu de Inovação apoia empresários visionários que criam soluções transformadoras para enfrentar desafios societais e ambientais prementes, apoiando o Pacto Ecológico e o plano de recuperação para a Europa. Estas empresas em fase de arranque e PME vão expandir, criar emprego e crescimento e dar à Europa a liderança mundial nas tecnologias e soluções ecológicas. Tenho também grande orgulho no aumento da inclusão com o número recorde de mulheres inovadoras e na grande distribuição geográfica por toda a Europa”, disse Mariya Gabriel, comissária da Inovação, Investigação, Cultura, Educação e Juventude, citada no mesmo comunicado.

A responsável sublinhou ainda a elevada procura do “financiamento misto” do CEI, que combina subvenções com investimento em capitais próprios (38 empresas, representando 182,6 milhões de euros em investimentos em capital próprio). Os investimentos em capital próprio são feitos através do fundo do CEI recentemente criado que gere participações no capital próprio em nome da Comissão Europeia. Todas as empresas selecionadas beneficiam igualmente de oportunidades exclusivas de serviços de aceleração comercial para apoiar crescimento e expansão rápidos.

Além disso, o CEI atribuiu 562 Selos de Excelência Pacto Ecológico a empresas em fase de arranque e PME para as ajudar a aceder a financiamentos provenientes de outras fontes.

O Conselho Europeu de Inovação está atualmente numa fase-piloto de 3,3 mil milhões de euros, deverá estar em velocidade de cruzeiro em 2021, no âmbito do novo programa Horizonte Europa.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portuguesa Ecofoot entre as primeiras 64 empresas financiadas pelo Green Deal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião