Telefónica, Slim e Tim competem contra outra oferta para ficar com negócio móvel da Oi

  • ECO
  • 20 Julho 2020

Os três grande aliaram-se e estão a competir contra outra oferta para comprar os ativos móveis da Oi brasileira. A segunda oferta não é identificada e a Oi recusou-se a dar detalhes.

A Telefónica, líder do mercado móvel brasileiro, a Tim, controlada pela Telecom Italia e a Claro, do grupo do magnata mexicano Carlos Slim, estão a competir contra outra oferta para adquirir os ativos móveis da brasileira Oi. A empresa, que se encontra em processo de insolvência, notificou oficialmente a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) brasileira que recebeu “propostas vinculativas”, no plural, para os ativos do seu negócio móvel, avança o Cinco Días (acesso livre, conteúdo em espanhol).

A Telefónica, líder do mercado móvel brasileiro com a marca Vivo e uma quota de 33% de clientes, aliou-se para apresentar a sua oferta com os seus dois principais rivais no país: a italiana TIM (com uma quota de 23,2%) e a Claro, uma subsidiária da gigante mexicana América Móvil (24,4% de quota), líder das telecomunicações na América Latina.

A segunda oferta não é identificada e a Oi recusou-se a dar detalhes. De acordo com duas fontes citada pela Reuters, a outra oferta é de “um ator estratégico estrangeiro com uma pequena presença no Brasil”. As empresas não tornaram público o montante da sua oferta vinculativa. O jornal brasileiro, O Globo, noticiou que a empresa regional Algar Telecom em parceria com o GIC, o fundo soberano de Singapura, também está em licitação.

Em princípio, a aliança da Telefónica, TIM e Slim começa como favorita porque pode pagar um preço mais elevado, já que a sua presença lhes permitiria gerar sinergias de cerca de 4 mil milhões de reais (cerca de 650 milhões de euros), de acordo com fontes financeiras.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Telefónica, Slim e Tim competem contra outra oferta para ficar com negócio móvel da Oi

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião