Telefónica negoceia pacto com Slim e TIM para comprar Oi

  • ECO
  • 7 Outubro 2019

Segundo a imprensa espanhola, a Telefónica está a negociar com os rivais no mercado brasileiro uma fórmula para ficarem com a brasileira Oi, onde a Pharol detém cerca de 5%.

A Telefónica está a negociar com os seus principais rivais no mercado brasileiro, a América Movil, do bilionário Carlos Slim, e os italianos da TIM, para se juntarem na compra dos ativos da Oi, a quarta operadora do país e onde a portuguesa Pharol detém cerca de 5%, adianta a imprensa espanhola esta segunda-feira.

A ideia passa por comprar a Oi em conjunto e depois repartir os ativos entre as três empresas, noticia o Expansión (acesso livre/conteúdo em espanhol).

O jornal refere que a situação da Oi preocupa o Governo brasileiro e o regulador Anatel, tendo em conta o momento delicado que a operadora atravessa e que pode ter impacto negativo nos 37,5 milhões de clientes móveis, 5,7 milhões de banda fixa e 1,15 milhões de televisão por satélite.

A Oi entrou em processo de recuperação judicial em 2016, com uma dívida de 14,4 mil milhões de euros, mas tem demorado a mostrar resultados positivos.

Face à situação de crise, a operadora brasileira está a vender ativos: a divisão de telefonia móvel, o negócio de torres de telecomunicações, os centros de dados, a rede de fibra ótica em São Paulo e ainda parte dos ativos fora do Brasil, sobretudo a filial em Angola. Pode, no entanto, acabar a ser vendida na sua totalidade.

A Telefónica está a ser assessorada pelo JPMorgan com vista à potencial aquisição do negócio móvel da Oi.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Telefónica negoceia pacto com Slim e TIM para comprar Oi

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião