Telefónica contrata JPMorgan para comprar negócio móvel da Oi por 4.000 milhões

  • ECO
  • 25 Setembro 2019

Espanhóis querem crescer no mercado brasileiro e estão a analisar compra do negócio de telefonia móvel do rival Oi. Já contrataram americanos do JPMorgan para estudar operação.

A Telefónica está apostada em crescer no Brasil através da Vivo, a antiga joint-venture dos espanhóis com a Portugal Telecom no mercado brasileiro. Ainda que a elevada dívida aconselhe prudência, a operadora espanhola contratou o banco norte-americano JPMorgan para estudar a compra do negócio de telefonia móvel dos rivais da Oi, onde a Pharol detém uma posição de 5,5%. O negócio poderá realizar-se por um valor a rondar os 4.000 milhões de euros.

A notícia está a ser avançada pelo jornal espanhol El Confidencial, que refere que a Telefónica está muito interessada em crescer num mercado que já lhe dá 20% das receitas. E está a olhar para a situação de fragilidade financeira da Oi, a braços com uma reestruturação financeira há três anos, como uma oportunidade.

Fontes financeiras confirmam que a Telefónica está a ser assessorada pelo JPMorgan na compra de todo ou de apenas uma parte do negócio da Oi, a quarta maior operadora do Brasil que se encontra sob elevada pressão devido à dívida de 14 mil milhões de dólares.

Face à situação de crise, a Oi está a vender ativos: a divisão de telefonia móvel, o negócio de torres de telecomunicações, os centros de dados, a rede de fibra ótica em São Paulo e ainda parte dos ativos fora do Brasil, sobretudo a filial em Angola.

Face à posição de domínio no mercado brasileiro, a Telefónica teria maiores problemas em comprar a totalidade da companhia rival, dado que as autoridades locais chumbariam o negócio, indicam as mesmas fontes ao jornal espanhol. Ainda assim, os espanhóis confiam que a Anatel aprovaria a compra do negócio móvel da Oi, avaliado em cerca de 4.300 milhões.

Segundo os analistas do BTG Pactual, esta avaliação incorpora um múltiplo de sete a oito vezes o EBITDA (lucros antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) da Oi, que se estima em 600 milhões.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Telefónica contrata JPMorgan para comprar negócio móvel da Oi por 4.000 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião