BCP afunda mais de 4%. Ciclo de quedas tira 12% ao valor do banco

Banco liderado por Miguel Maya volta a afundar, renovando mínimos de 2017. Miguel Maya admite ano difícil, mas mantém objetivos..

O Banco Comercial Português (BCP) está, mais uma vez, a ser fortemente castigado pelos investidores em bolsa. As ações da instituição liderada por Miguel Maya estão a afundar 4% na praça nacional. Eleva para mais de 12% a queda acumulada neste ciclo negativo.

“Este é um ano mais difícil do que aquele que tínhamos perspetivado quando fizemos o orçamento”, afirmou ao ECO o CEO do BCP. Depois de ter anunciado uma crescimento no lucro na primeira metade do ano, atingindo os 170 milhões de euros, Maya alertou para os desafios vindouros, que agora renova. Ainda assim, afirma acreditar no trabalho das equipas comerciais para cumprir os objetivos.

Ainda assim, os títulos do BCP que recuam 4,11% para 17,97 cêntimos, estando já a negociar no valor mais baixo desde abril de 2017. Isto num dia negativo tanto para a banca europeia como à generalidade dos índices mundiais perante a crescente instabilidade internacional.

BCP afunda para novos mínimos de 2017

Esta queda eleva para quatro o número de sessões consecutivas negativas para os títulos do banco português. Recuaram 1,32% na sessão anterior, tendo afundado 4,09% na primeira sessão desta semana. Já no final da semana passada o BCP tinha apresentado uma descida expressiva, recuando 3,13%.

Apesar do alerta para os resultados, Maya revela confiança na capacidade das equipas em dar a volta, mas investidores não têm tido a mesma perspetiva positiva, levando em que em apenas quatro sessões os títulos do banco acumulem uma queda de 12,08%.

A pesar nos títulos, além das contas, penalizadas pelo contexto de juros baixos na Zona Euro, fomentado pelo Banco Central Europeu, está também a multa da Autoridade da Concorrência pela prática de cartel.

O banco recebeu a segunda coima mais avultada, de 60 milhões de euros, por práticas restritivas da concorrência no mercado de crédito. Ao ECO, Maya considera a coima injusta e desproporcionada, razão pela qual vai ser impugnada em tribunal.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCP afunda mais de 4%. Ciclo de quedas tira 12% ao valor do banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião