BCP fixa emissão de dívida subordinada nos 450 milhões de euros. Consegue juro de 3,871%

  • Lusa
  • 21 Setembro 2019

A operação terá um prazo de 10,5 anos, com opção de reembolso antecipado pelo banco no final de 5,5 anos, e uma taxa de juro de 3,871%, ao ano, durante os primeiros 5,5 anos.

O Banco Comercial Português (BCP) fixou o montante de colocação na emissão de dívida subordinada nos 450 milhões de euros, de acordo com a informação enviada à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). A operação terá um prazo de 10,5 anos, com opção de reembolso antecipado pelo banco no final de 5,5 anos, e uma taxa de juro de 3,871%, ao ano, durante os primeiros 5,5 anos.

Este valor, de acordo com o BCP, correspondente a um spread de 4,231% sobre a taxa mid-swaps de 5,5 anos, o qual, para a fixação da taxa de juro para os remanescentes cinco anos, se aplicará sobre a taxa mid-swaps em vigor no início desse período.

Na quinta-feira, o banco BCP anunciou ao mercado que mandatou quatro bancos – Credit Suisse, Goldman Sachs, JP Morgan e o próprio Millennium BCP – para a emissão de dívida subordinada (de maior risco para os investidores) com prazo de “10 anos e seis meses e possibilidade de reembolso antecipado, por parte do banco, uma vez decorridos cinco anos e seis meses”.

O objetivo do BCP, referiu, é que estes títulos de dívida venham a contar como instrumentos de capital de fundos próprios de nível 2. Os bancos são obrigados a ter fundos próprios suficientes para cobrir perdas e o montante de capital exigido depende do risco associado aos ativos de cada banco.

Aos fundos próprios são atribuídos determinados graus, consoante a sua qualidade e risco, sendo os de nível 2 os que permitem ao banco reembolsar os depositantes e os credores privilegiados em caso de insolvência.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCP fixa emissão de dívida subordinada nos 450 milhões de euros. Consegue juro de 3,871%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião