Maya discorda “profundamente” da multa da AdC. “BCP não recebeu, nem espera vir a receber queixas de clientes”

CEO do BCP contesta "proporcionalidade e justiça" da multa de 60 milhões de euros aplicada pela AdC. Miguel Maya diz que banco não recebeu e nem espera reclamações de clientes.

Gala IRGAwards 2019 - 19SET19
Miguel Maya considera injusta e desproporcionada a multa de 60 milhões aplicada pela AdC.Hugo Amaral/ECO

Miguel Maya contesta a “proporcionalidade e justiça” da coima de 60 milhões de euros aplicada pela Autoridade da Concorrência ao BCP. Comentando pela primeira vez o chamado “cartel da banca”, o CEO do banco adianta que não recebeu qualquer reclamação do caso que envolveu outras 13 instituições. E nem espera vir a receber, uma vez que o BCP sempre se preocupou em ter uma atuação correta com os clientes.

A Autoridade da Concorrência anunciou há uma semana coimas no valor de 225 milhões de euros a aplicar a 14 bancos devido a práticas restritivas da concorrência no mercado de crédito que prejudicaram os consumidores, entre 2002 e 2013. O BCP foi alvo da segunda maior coima, apenas atrás da Caixa Geral de Depósitos (CGD). Miguel Maya contesta.

“Discordamos profundamente da multa e por isso é que vamos recorrer”, afirmou Miguel Maya em declarações ao ECO, à margem dos IRGAwards, uma iniciativa da Deloitte. “Não vou dizer se a prática é correta ou incorreta, não é esse o tema. O tema é a proporcionalidade e a justiça da própria multa“, sublinhou o presidente executivo do banco.

Miguel Maya explicou que a subida das taxas de juro se deu quando Portugal entrou em crise e que foi “a deterioração das condições de mercado” a razão desse movimento de agravamento dos juros dos créditos. “Não tem nada a ver com essa eventual prática menos correta”, garantiu.

Adiantou ainda que o banco não recebeu até agora qualquer reclamação de algum cliente que se tenha sentido lesado deste caso. “Não temos reclamações de clientes. Não antecipo que venhamos a ter”, disse Miguel Maya, frisando que o BCP tem “uma preocupação muito grande com ter uma política de atuação correta com os clientes”. E isso “não é de agora”.

Qual o impacto que vai ter nas contas? “É um tema que nós estamos a analisar com os auditores. Naturalmente que temos de discutir isto com os auditores e dessas conversas tomaremos a decisão que considerarmos adequada para que as contas do banco reflitam os riscos do banco”, afirmou Miguel Maya.

O BCP chegou a meio do ano com lucros de 170 milhões de euros, com a atividade nacional a puxar pelos resultados. A coima do regulador da concorrência representa cerca de 35% do resultado que o banco teve no semestre.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Maya discorda “profundamente” da multa da AdC. “BCP não recebeu, nem espera vir a receber queixas de clientes”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião