14 bancos, 11 anos de cartel. Gestores escapam à coima milionária da Concorrência

Foram condenados 14 bancos por práticas restritivas da concorrência que ocorreram durante 11 anos. Apesar da dimensão do caso, nenhum responsável foi condenado pela Autoridade da Concorrência.

Margarida Matos Rosa lidera a Autoridade da Concorrência.Tiago Petinga/Lusa 15 novembro, 2016

Entre maio de 2002 e março de 2013, 14 bancos, trocando informação sensível entre si, concertaram “preços” dos produtos de crédito, num esquema anticoncorrencial que lesou famílias e empresas, concluiu a Autoridade da Concorrência, que aplicou uma multa de 225 milhões de euros. Apesar de as práticas terem ocorrido durante mais de uma década, envolvendo os principais bancos do sistema e que dominam o mercado dos empréstimos para compra de casa, ao consumo ou às empresas, nenhum responsável foi condenado pela Autoridade da Concorrência.

A Caixa Geral de Depósitos, BCP, Santander Totta, BPI e Banco Montepio foram os principais bancos visados pelo regulador da concorrência, que anunciou esta segunda-feira coimas no valor de 225 milhões de euros a 14 instituições financeiras pela prática de cartel.

Não há, no entanto, condenações individuais, como aconteceu noutros casos de menor dimensão e que foram decididos recentemente pela Autoridade da Concorrência (como nos seguros ou das construtoras, casos em que administradores e diretores também foram condenados), ainda que o processo do cartel da banca tenha investigado e inquirido os colaboradores das instituições condenadas — que, de resto, vieram a ser cruciais na decisão final que está a ser contestada pelos bancos.

A Autoridade da Concorrência concluiu pela não responsabilização de pessoas singulares titulares de cargos de direção ou administração“, respondeu ao ECO a entidade, depois de questionada sobre se as investigações envolveram algum diretor ou membro de administração de bancos e por que razão não há condenações individuais num processo desta magnitude.

"A Autoridade da Concorrência concluiu pela não responsabilização de pessoas singulares titulares de cargos de direção ou administração.”

Fonte oficial da Autoridade da Concorrência

Tendo existido condenações de responsáveis que atualmente ocupam cargos de topo, o caso do cartel da banca poderia ter de levar o Banco de Portugal a intervir. O ECO contactou o supervisor bancário (que está a par do caso) para perceber as implicações do processo, mas não obteve uma resposta em tempo útil.

Durante 11 anos, cada banco facultou aos demais informação sensível sobre as suas ofertas comerciais, indicando, por exemplo, os spreads a aplicar num futuro próximo no crédito à habitação ou os valores do crédito concedido no mês anterior. Assim, cada um “sabia, com particular detalhe, rigor e atualidade, as características da oferta dos outros bancos, o que desencorajava os bancos visados de oferecerem melhores condições aos clientes, eliminando a pressão concorrencial, benéfica para os consumidores”, detalhou a Autoridade da Concorrência.

Foi com base em várias centenas de e-mails trocados pelos responsáveis dos bancos, entre outra documentação apreendida, que o regulador chegou à conclusão “inequívoca” de que houve “concertação” de preços nos produtos de crédito, isto depois de uma das instituições envolvidas (o Barclays) ter denunciado o esquema no final de 2013 — mais tarde, o Banco Montepio também admitiu as práticas, colaborando com o regulador.

A investigação da Autoridade da Concorrência envolveu todo o tipo de diligências: buscas nas instalações dos bancos e apreensão de documentos, incluindo correio eletrónico, pedidos de informação às instituições financeiras e ao Banco de Portugal e ainda inquéritos aos “colaboradores dos bancos em causa”.

O próprio regulador liderado por Margarida Matos Rosa reconheceu que está “perante um caso de elevada complexidade e dimensão”, uma vez que envolveu 15 instituições financeiras numa fase inicial e muita informação, — incluindo mais de 90 mil ficheiros, designadamente em suporte informático –, boa parte dela classificada como confidencial pelos bancos.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

14 bancos, 11 anos de cartel. Gestores escapam à coima milionária da Concorrência

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião