BPI é o quinto banco a contestar a coima da Concorrência por cartel

Caixa, BCP, Santander Totta e BBVA vão recorrer da coima de 225 milhões da Autoridade da Concorrência por práticas ilegais no crédito. Agora é o BPI a anunciar que também vai contestar decisão.

Já são cinco os bancos que vão recorrer da coima de 225 milhões de euros que a Autoridade da Concorrência aplicou a 14 instituições por práticas restritivas da concorrência no mercado de crédito. Depois da Caixa Geral de Depósitos, BCP, Santander Totta e BBVA, agora é o BPI a anunciar que também vai contestar a decisão do regulador em tribunal.

“O BPI manifestou, no âmbito do processo, a sua discordância quanto à imputação daquela infração e seus fundamentos e decidiu interpor recurso da decisão agora tomada por aquela autoridade para o Tribunal de Concorrência, Regulação e Supervisão“, diz o banco em comunicado divulgado esta quarta-feira.

O banco liderado por Pablo Forero foi multado em 30 milhões de euros pela Autoridade da Concorrência, que condenou mais 13 instituições financeiras depois de ter concluído que trocaram informações sensíveis sobre spreads praticados nos empréstimos, num esquema anticoncorrencial que prejudicou famílias e empresas.

“Cada banco sabia, com particular detalhe, rigor e atualidade, as características da oferta dos outros bancos, o que desencorajava os bancos visados de oferecerem melhores condições aos clientes, eliminando a pressão concorrencial, benéfica para os consumidores”, explicou o regulador que tem por missão garantir a concorrência na economia.

O BPI contesta esta fundamentação. “A informação em causa, pela sua natureza, não poderia produzir efeitos anticoncorrenciais e não prejudicou, de modo algum, os interesses dos clientes“, contrapõe o banco que é detido pelos espanhóis do CaixaBank.

Entre as maiores coimas aplicadas pela Autoridade da Concorrência, ainda não se sabe o que fará o Banco Montepio, que viu a sua coima reduzida para metade, dos 26 milhões para os 13 milhões de euros, depois de ter aderido ao regime de clemência e ter apresentado provas adicionais de infração.

A maior coima foi aplicada ao banco público, que esta terça-feira à noite confirmou que vai impugnar a multa de 82 milhões. Já antes, BCP (coima de 60 milhões), Santander Totta (coima de 35,6 milhões) e BBVA (multa de 2,5 milhões) haviam indicado que iriam recorrer da decisão. Ou seja, 93% da coima aplicada à banca vai ser contestada em tribunal.

(Notícia atualizada às 14h42)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BPI é o quinto banco a contestar a coima da Concorrência por cartel

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião