Uber Eats reforça no Algarve depois da época alta do verão

O Uber Eats está a preencher alguns vazios na cobertura no Algarve, passando a abranger novas localizações em Albufeira, Lagos e Portimão. Mesmo depois da época alta do verão.

A Uber decidiu reforçar a operação do Uber Eats no litoral algarvio após o verão.Uber

A Uber UBER 2,27% vai expandir o negócio de entrega de refeições em Portugal com um reforço da operação do Uber Eats no litoral algarvio.

O serviço já estava disponível no Algarve desde abril — nomeadamente em Faro, Olhão, Loulé e Quarteira –, mas chega esta quarta-feira a mais localidades dos concelhos de Portimão, Lagos e Albufeira, num total de 24 cidades nacionais. Em causa, o lançamento do Uber Eats em Olhos de Água, São Sebastião, Santa Maria e Luz e Ferragudo e Alvor.

A empresa tenta, assim, preencher alguns vazios no mapa de cobertura no Sul do país, já depois da época alta do verão, apostando no desenvolvimento da chamada economia da partilha nesta região de grande sazonalidade e afluência turística. O objetivo é que todas as entregas sejam completadas em menos de 30 minutos.

Na semana passada, a Uber lançou o serviço Uber Eats em Guimarães. Segundo a empresa, a aplicação já cobre mais de 35% da população, apostando num modelo de negócio de marketplace: as refeições são cozinhadas pela rede de restaurantes parceiros e pelos estafetas que trabalham em regime de freelancing. As receitas proveem da comissão cobrada aos utilizadores, no valor de 2,90 euros, um custo a que a empresa chama de “taxa de entrega” e que reverte a favor da plataforma.

“O Uber Eats liga os utilizadores aos seus restaurantes favoritos da cidade e, neste momento, a oferta já inclui mais de 2.000 restaurantes disponíveis em Portugal, tendo começado com 90 restaurantes parceiros aquando do lançamento em Lisboa em 2017″, recorda a empresa, num comunicado. No mercado português, o Uber Eats é também o parceiro exclusivo do serviço de entregas ao domicílio da cadeia McDonald’s MCD 0,66% .

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Uber Eats reforça no Algarve depois da época alta do verão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião