Claranet lança o serviço digital de “produtividade” que promete transformar o espaço de trabalho

O novo serviço de workplace cloud promete capacitar as empresas, tornando-as mais produtivas, competitivas a nível digital e com um ambiente de trabalho mais flexível.

A Claranet — empresa fornecedora de soluções de cloud, hosting, redes, segurança e workplace em modelo “as a service”– acaba de lançar um projeto piloto em Portugal, o qual visa uma maior flexibilidade de horários no trabalho e o aumento da eficácia dos profissionais e das empresas.

O workplace cloud, um dos novos serviços de “productivity as a service” (produtividade como um serviço), permitirá não só o aumento de tecnologia disponível nas empresas, como o aumento de potencial e das competências dos trabalhadores, garantindo uma maior produtividade e rentabilização dos custos operacionais.

“Um dos pontos que sustenta a inovação do workplace é o fator digital, onde a Claranet está. O outro são as pessoas e a sua competência. O que percebemos foi que havia uma equação — entre produtividade, competitividade e horas de trabalho — que estava desequilibrada. Assim, vamos também orientar a nossa oferta no que toca à medição da felicidade e da melhoria de produtividade nas pessoas, garantindo, para isso, que estas sejam mais céleres a fazer as suas tarefas” conta António Maia, workplace design e adoption director da Claranet, ao ECO/Pessoas.

Ao alargar o seu portefólio de soluções com o novo serviço de workplace cloud (implementado numa lógica transversal e multiplataforma), a Claranet reforça o seu programa de transformação digital contínuo do espaço de trabalho. O objetivo da empresa passa, por “poupar, por exemplo, uma hora ou 30 minutos de trabalho por ano, seja com novos serviços, seja com a mudança de comportamento das pessoas (porque, às vezes, as pessoas têm os sistemas mas, não sabem como hão-de funcionar com eles)”, conclui António Maia.

Requalificação para melhorar o ambiente de trabalho

“Este projeto é muito executivo. Nós [Claranet] temos não só o trabalho interno, como o trabalho com clientes e como parceiros, deste modo, se não estivermos todos orquestrados não conseguiremos alcançar um melhor ambiente de trabalho e uma maior produtividade. Tem de haver alguém a liderar nas organizações para garantir que os trabalhadores adotem estes comportamentos. (…) A agenda das empresas muitas vezes não vê a agilidade de trabalho das pessoas como prioritário, mas é isso que queremos mudar“, explica.

Assim, além de propor a aplicação de soluções tecnológicas (baseadas em devices, plataformas de colaboração e diversas aplicações), que já trazem implícito uma rentabilização, cada vez maior, do tempo de trabalho, a Claranet procura a felicidade e o aumento da eficácia e da destreza digital dos trabalhadores. Algo que, na ótica do diretor de design e adoption, só se gera com uma cultura empresarial voltada para a capacitação e requalificação dos profissionais. Por isso, esta mudança tem de ser feita em conjunto — entre a Claranet, as organizações e os funcionários.

Compromisso com a mudança

Para garantir o nível de eficácia e a rentabilização dos custos operacionais associados à “productivity as a service“, a Claranet irá realizar uma análise prévia a cada empresa, definindo, por exemplo, métricas (relativas a tempo gasto em determinadas tarefas) para a transformação digital, a curto e médio prazo, ganhos de produtividade, percentagem de adoção da tecnologia e níveis de poupança parciais e totais. “Não esperar que as pessoas usem os novos serviços, não é sucesso. Por isso, é preciso ter graus de compromisso com a adoção das ferramentas e mostrar que mudámos comportamentos”, diz António Maia.

Uma das vertentes principais do novo produto apresentado pela empresa tem por base o modelo ADKAR (da Prosci), um modelo de “gestão de mudança” utilizado a nível mundial e que assenta em cinco pilares fundamentais: awareness (consciência), desire (desejo), knowledge (conhecimento), ability (habilidade), reinforcement (reforço). Neste caso, o tópico principal quando se fala em mudança “é a adaptação pois, no fundo, o objetivo passa por ajudar as pessoas a perceberem porque é que esta modificação é importante, permitindo-lhes depois passar essa experiência a outras empresas e trabalhadores, como forma a perpetuar, efetivamente, a mudança”, refere António.

Com a entrada deste novo serviço no mercado, o diretor de design e adoption espera que, pelo menos, mude “a orientação e a preocupação com a celeridade e bom ambiente de trabalho na agenda das empresas”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Claranet lança o serviço digital de “produtividade” que promete transformar o espaço de trabalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião