Supere o momento da entrevista: 4 dicas para o entrevistador

É recrutador e tem dificuldades em entrevistar millennials e centennials? Temos quatro dicas que podem ajudar a superar o momento da entrevista, não deixando escapar talentos.

De entrevistador a entrevistado? As últimas gerações mudaram a dinâmica tradicional da entrevista de emprego. Hoje em dia, tanto as empresas como os trabalhadores são cada vez mais seletivos na hora de escolher os projetos em que se envolvem e as melhores equipas para fazê-lo.

Os talentos millennial (geração Y) e centennial (geração Z) exigem uma comunicação direta, uma cultura corporativa específica, possibilidades de alcançar todo o seu potencial durante cada uma das suas etapas profissionais, e que a sua função tenha uma real influência dentro da empresa. Neste novo cenário e dinâmica, os departamentos de recursos humanos e outros entrevistadores são cada vez mais “entrevistados” pelos candidatos durante o processo de recrutamento.

Se é recrutador e acha complicado lidar com as novas gerações, aqui ficam quatro conselhos dados pela Robert Walters (consultora em recrutamento e seleção) para superar o momento da entrevista, não deixando escapar o melhor talento para a sua empresa:

  1. Não seja apanhado de surpresa: a internet e as redes sociais vieram permitir que qualquer pessoa, mesmo antes de se candidatar a uma vaga de emprego, esteja familiarizada com a história, serviços e últimos acontecimentos da empresa. Por isso, a imagem corporativa tem um grande impacto nas expectativas dos candidatos no processo de entrevistas. Atualmente, os profissionais vão sempre investigar previamente a empresa contratante e, no momento da entrevista, terão já uma opinião formada sobre a cultura e valores da marca. “Assim, o entrevistador deve estar preparado para abordar quaisquer elementos que o candidato possa apresentar. (…) Pesquisar publicações e artigos recentes sobre a empresa nas redes sociais ajudarão a avaliar como esta é vista” pelos potenciais candidatos, aconselha José Miguel Rosenbusch, manager na Robert Walters Portugal, em comunicado.
  2. Antecipe-se às expectativas do candidato sobre a organização e sobre si: é agora mais provável que os candidatos façam perguntas sobre a possibilidade de progressão na carreira dentro da empresa. Cada vez mais, o profissional tem curiosidade sobre a cultura corporativa e as oportunidades de crescimento e formação que a empresa lhe pode oferecer. Que valor acrescentaria o meu trabalho dentro da organização? Existem planos de formação regulares na empresa? Como foi o seu desenvolvimento profissional dentro da organização? Estas são algumas questões diretas que o candidato pode colocar-lhe. Rosenbusch explica a importância de o entrevistador se antecipar a dar resposta a perguntas relacionadas não só com a organização, como com o seu próprio percurso, pois estas são cada vez mais habituais do candidato para o entrevistador. Entender a motivação inicial e a razão pela qual o entrevistador continua a apostar na empresa em que se encontra para desenvolver a sua carreira é crucial para motivar o candidato a querer entrar na empresa.
  3. Uma boa entrevista não é unidirecional: quando um millennial vai a uma entrevista de emprego espera que o entrevistador conheça a sua experiência profissional e que seja comunicativo e recetivo. “O entrevistador deve interessar-se sinceramente pelo candidato“, refere José Rosenbusch. “Não é apenas importante fazer perguntas sobre o CV, mas também sobre o como e o porquê do mesmo. O entrevistador precisa de causar uma boa impressão, estabelecer uma ligação positiva com o candidato e oferecer o tempo necessário para fazer perguntas. O candidato deve sentir que há um interesse real e único (…)”. O entrevistador deve, por isso, fazer perguntas reflexivas sobre os pontos fortes e fracos que observou no CV do candidato, “embora sem nunca se esquecer de lhe transmitir que a vaga é uma oportunidade de crescer e de se desenvolver profissionalmente”, remata o manager na Robert Walters Portugal.
  4. Manter o “fair play”: o entrevistador deve ter sempre o controlo do processo de seleção. Um controlo que, ao mesmo tempo, deve criar os momentos necessários para a comunicação e interação com o candidato. Para consegui-lo, deve planear as diferentes fases da entrevista, contando com tempo para perguntas e comunicação aberta. Antes de começar a entrevista, explique aos candidatos o que é a empresa e o que procura exatamente para a posição que está a entrevistar. Ao fazê-lo, deixe também claro que o entrevistado terá oportunidade de fazer as perguntas que considere necessárias no final, assim, será estabelecido um bom “fair play” entre o candidato e o entrevistador desde o início.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Supere o momento da entrevista: 4 dicas para o entrevistador

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião