20 regalias que os millennials têm no trabalho e que os seus pais não tiveram

Algumas empresas apresentam aos millennials vantagens como cobertura dos custos de congelamento de óvulos e licenças de "maternidade" para quem tem animais de estimação.

Licenças remuneradas para quem é dono de animais, cobertura de custos do congelamento de óvulos ou programas de pagamento de empréstimos a estudantes por parte dos empregadores. As estratégias dos empregadores para atrair e reter millennials são cada vez mais originais, sobretudo quando comparadas com a política de benefícios oferecidas pelas instituições onde os seus pais trabalharam.

Tanto as empresas como os trabalhadores são cada vez mais seletivos na hora de escolher os projetos em que se envolvem e as melhores equipas para fazê-lo. A geração millennial, que procura agora o seu primeiro emprego, conta ainda com uma maior transparência, tanto na pesquisa de benefícios oferecidos pelas empresas como na comparação de ofertas de emprego.

Segundo o Business Insider, algumas das vantagens mais recentes que as empresas apresentam aos seus empregados podem incluir, por exemplo, uma maior flexibilidade laboral. Programas de pagamento de empréstimos a estudantes por parte dos empregadores são também uma “regalia” bastante popular entre os trabalhadores mais jovens, considerado por 45% dos funcionários uma das gratificações mais importantes, segundo refere o Bureau of Labor Statistics.

Abaixo encontram-se algumas das vantagens de trabalho a que os millennials podem ter acesso hoje e que, na época dos seus pais, não eram sequer pensadas pelas empresas:

  1. Envio de leite materno: Empresas como o Twitter, IBM, Zillow e Goldman Sachs oferecem reembolsos para as mães poderem tirar leite e enviá-lo para o local onde se encontra o bebé durante o horário de trabalho.
  2. Licença de luto prolongada: Em 2017, o COO do Facebook, Sheryl Sandberg, anunciou que o programa do Facebook para licença remunerada por falecimento, prolongaria o tempo de dispensa. Atualmente, no caso de um familiar próximo, o período de luto será até 20 dias, e para membros da família mais afastados, de 10 dias.
  3. Licença para pessoas com animais de estimação: Empresas como a Mparticle, a BrewDog e a Nina Hale introduziram a licença de “maternidade” para quem tenha animais de estimação (“pawternity“). Desta forma, os funcionários ou, por outra perspetiva, os novos “pais”, poderão trabalhar em casa ao mesmo tempo que tomam conta do membro mais recente da família. Algumas empresas, inclusivamente, já permitem tempo de luto após a perda de um animal de estimação. A Mars Petcare, por exemplo, oferece um trabalho flexível, afirmando que se pode estender à “pawternity“, bem como ao luto pela morte de animais de estimação. A VMware, além de dias para os funcionários “chorarem” os seus animais, tem um campus em Palo Alto, nos EUA, adequado aos cães dos trabalhadores. Por cá, a startup portuguesa Barkyn anunciou uma medida semelhante.
  4. Trabalho quatro dias por semana: Empresas como a Microsoft, Shake Shack, Basecamp, Uniqlo e Wildbit já experimentaram aplicar apenas quatro dias de trabalho durante a semana. De acordo com o site Fast Company, a empresa Perpetual Guardian, sediada na Nova Zelândia, experimentou uma semana de trabalho de quatro dias e afirmou que os funcionários foram muito mais produtivos, felizes e menos stressados.
  5. Hora da sesta: Empresas como NASA, Samsung, Google e Huffington Post têm “cápsulas de sono” para que os trabalhadores possam dormir durante os intervalos. Segundo contou Christopher Lindholst, CEO e cofounder da MetroNaps, à Forbes, a geração millennial encara o trabalho de uma forma mais flexível do que os seus pais, permitindo-se dormir no trabalho e aproveitar estas ferramentas. Christopher Lindholst, explica ainda que, por dormirem nos seus intervalos laborais e por terem esta visão, os jovens trabalhadores apresentam um desempenho maior comparativamente aos seus antecessores.
  6. Programas de pagamento de empréstimos a estudantes: Empresas como a PWC, a Penguin Random House e a Honeywell, entre outras, ajudam os seus funcionários a pagar empréstimos escolares e universitários. Um estudo de 2017, realizado pela consultora americana Oliver Wyman, mostrou que 45% das pessoas aponta o pagamento de empréstimos a estudantes como benefício empresarial mais desejado, colocando-o acima das contribuições de aposentadoria e seguro de saúde.
  7. Congelamento de óvulos: Os gigantes da tecnologia Apple, Uber, Alphabet, Yahoo e Microsoft cobrem parte da despesa de saúde das funcionárias que optem por congelar os seus óvulos. No Facebook, a decisão foi tomada depois de uma trabalhadora doente de cancro ter dito à COO Sheryl Sandberg que não podia “dar-se ao luxo de congelar os seus óvulos”. Assim, a partir de 2014, a empresa também começou a cobrir o custo dessas despesas.
  8. Licença de paternidade paga: Os pais estão finalmente a receber o mesmo reconhecimento na questão da licença parental. Várias empresas adotaram esta “tendência” de alargar a licença de paternidade nos últimos anos, incluindo a DocuSign, que oferece atualmente seis meses de licença remunerada. Outras empresas que também têm uma política flexível de licença de paternidade são o Twitter, a IBM, a Etsy, a Netflix e a Sweetgreen, por exemplo. A Fundação Bill e Melinda Gates, nos EUA, começou por oferecer uma licença parental de 12 a 52 semanas mas, em 2019, a organização cortou o tempo de licença para metade, oferecendo como apoio adicional aos funcionários 18 mil euros (20 mil dólares).
  9. Programas parentais alargados: A marca de beleza Estée Lauder alargou o seu programa de benefícios familiares em maio de 2018. O programa inclui agora 20 semanas de licença parental paga, independentemente do sexo ou da orientação sexual. O programa estende-se ainda a pais que estão a tentar adotar, oferecendo aproximadamente nove mil euros (10 mil dólares) para ajudar no processo. A Estée Lauder também oferece assistência em casa para crianças e idosos e cerca de 18 mil euros (20 mil dólares) para quem queira iniciar tratamentos de fertilidade.
  10. Cirurgia de alteração de sexo: Empresas como a IBM e a Starbucks cobrem a cirurgia de mudança de género dos funcionários, um procedimento que pode custar mais de 90 mil euros (100 mil dólares) nos Estados Unidos. Esta decisão, segundo conta Ron Crawford, representante da Starbucks, ao Business Insider, foi motivada, não apenas pelo desejo da empresa ser realmente inclusiva mas, também, pelas conversas com os seus empregados transgénero sobre o facto de essa prática lhes permitir realmente ser quem são.
  11. Comida grátis: A maioria das empresas já oferece comida aos seus funcionários. Tanto o Facebook, como o Twitter, a Dropbox, o LinkedIn, o Airbnb e o Google oferecem refeições gratuitas à sua equipa durante todo o dia.
  12. Viagens pagas e incentivadas: Um serviço como o Airbnb oferece a todos os trabalhadores, aproximadamente, 1.800 euros (dois mil dólares) por ano, para despesas de viagem. Contudo, também há outras marcas a incentivar o lazer. A Qualtrics, criadora de diversos softwares, oferece anualmente a cada funcionário cerca de 1.300 euros (1.500 dólares) para que o possam gastar em experiências como viagens, cultura, entre outros.
  13. Exercício no trabalho: A inscrição e as mensalidades dos ginásios não são propriamente para todos os bolsos. Desta forma, algumas empresas oferecem a oportunidade aos trabalhadores de praticarem exercício físico, promovendo o seu bem-estar. A Salesforce, por exemplo, possui um centro de fitness na sua própria torre, em São Francisco, nos EUA, oferecendo aulas de ginástica, massagens e nutricionista aos seus empregados. A sede do Google em Mountain View, também nos EUA, tem, inclusive, ginásios e espaços de relaxamento e beleza para as suas equipas.
  14. Cuidados de beleza no local de trabalho: Tentar encontrar um horário adequado na sua agenda para arranjar o cabelo durante a semana de trabalho é quase impossível. A empresa de tecnologia Genentech oferece, por isso, cortes de cabelo no escritório.
  15. Habitação grátis: Os benefícios que as empresas dão nem sempre têm de ser para trabalhadores contratados em tempo integral. O Facebook, por exemplo, oferece casa ou uma bolsa mensal aos seus estagiários para contribuir para a renda e/ou despesas da casa.
  16. Reembolso da matrícula da faculdade: Já várias são as empresas que oferecem os estudos aos seus funcionários. A Starbucks, por exemplo, oferece o reembolso total da propina aos trabalhadores que realizem a formação online da Arizona State University.
  17. Trabalho remoto: Hoje em dia é difícil encontrar empresas que ainda não permitam que os funcionários trabalhem remotamente, uma vantagem bastante popular entre os millennials. Em 2016, de acordo com a empresa de sondagens de opinião pública Gallup, cerca de 43% dos norte-americanos trabalhava em casa pelo menos uma vez por semana. GitHub, Cisco, SAP, UnitedHealth Group e Kaplan são algumas das empresas que oferecem a possibilidade de trabalhar sempre a partir de “casa”.
  18. Pausas para jogar: Pode ser difícil mantermo-nos atentos 40 horas (ou mais) por semana. Apesar de este tipo de prática ser associado a empresas mais jovens ou criativas, como é o caso de agências publicitárias, esta é já uma medida a percorrer algumas empresas pois os trabalhadores que beneficiam de uma pausa rápida e divertida aumentam a produtividade. O escritório da Adobe, no estado do Utah, nos EUA, possui um cesto de basket e uma parede de escalada, para que os seus trabalhadores possam abstrair-se e recuperar as energias. Também a sede da AppDynamic (empresa de análise de dados e IT), em São Francisco, nos EUA, contem jogos como o jogo da malha, ping-pong e matraquilhos.
  19. Espaços de trabalho atrativos: O 61.º andar dos escritórios da Salesforce, em São Francisco, nos EUA, possui um terraço panorâmico com uma vista de 360.º graus para a cidade. Alguns escritórios oferecem espaços ao ar livre: o Facebook de Seattle, por exemplo, possui um pátio exterior com pequenas fogueiras, enquanto o escritório da Gap, em São Francisco, tem um terraço de frente para a ponte Bay.
  20. Visitas gratuitas a parques temáticos: Os funcionários da Walt Disney, desde que trabalhem há pelo menos duas semanas na empresa, recebem entradas gratuitas em qualquer um dos parques temáticos da marca.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

20 regalias que os millennials têm no trabalho e que os seus pais não tiveram

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião