Carteiros em perigo de extinção? 20 profissões que vão desaparecer nos EUA na próxima década

Carteiros, relojoeiros e datilógrafos são algumas das profissões que podem desaparecer do mercado na próxima década, de acordo com a projeção do Bureau of Labor Statistics.

Na próxima década, profissões mais passíveis de automatização podem extinguir-se. Carteiros, relojoeiros e datilógrafos são algumas das funções que podem estar a desaparecer do mercado.

No top 3 de profissões em perigo de extinção, de acordo com o Bureau of Labor Statistics, publicado a cada dois anos e que faz projeções relativamente ao emprego para os Estados Unidos, estão os agentes de fiscalização de estacionamento (como a EMEL), terapeutas respiratórios e operadores de comboios.

Desta forma, a partir dos dados do Bureau of Labor Statistics, os 20 empregos que têm tendência a desaparecer nos EUA até 2028 são:

  1. Técnico de pré-impressão: o número de pessoas empregadas nesta área deverá cair de 29.900, em 2018, para 23.700, em 2028, uma queda de 20,8%. Esta é uma função que tem como objetivo a formatação e a impressão de textos e imagens (enviadas pelos clientes) em páginas que serão impressas posteriormente. Segundo o Department of Labor’s O*NET, o salário médio anual neste setor ronda os 36.430 euros (40.410 dólares).
  2. Secretários Jurídicos: o número de empregados nesta função deverá cair de 180.100 para 142.500 daqui a oito anos, uma queda de 20,9%. Esta profissão pauta-se pelo desempenho de funções administrativas (de secretariado) no serviço jurídico, tendo auferido um salário médio anual, em 2018, de 41.800 euros (46.360 dólares).
  3. Prensa de têxteis, vestuário e materiais relacionados: o número de trabalhadores nesta função irá cair de 39.900 para 31.400 nos próximos oito anos, um decréscimo de 21,2%. Esta profissão baseia-se na prensa, estampagem e/ou modelagem de roupas ou outros artigos têxteis, sendo o seu salário médio anual em 2018 de 21.050 euros (23.350 dólares).
  4. Reveladores e editores de fotografias e operadores de máquinas de processamento: o número de postos de trabalho nesta área deverá descer de 17.100, em 2018, para 13.400, em 2028, uma queda de 21,3%. Com a função de desenvolver e processar imagens fotográficas a partir de filmes ou do digital, este trabalho tem como salário médio anual 26.310 euros (29.180 dólares).
  5. Enroladores, enceradores e finalizadores de bobinas: a projeção nesta profissão é que o número de empregos diminua de 12.300, em 2018, para 9.700 na próxima década, uma queda de 21,6%. Esta profissão tem como objetivo enrolar o fio nas bobinas usadas nos equipamentos elétricos sendo que, no ano passado, o salário médio anual rondou os 31.020 euros (34.400 dólares).
  6. Montagem da estrutura de aeronaves – dos equipamentos, pavimento e sistemas: o número de empregos neste ramo deverá cair de 45.100 postos para 35.200 até 2028, uma queda de 22,0%. A montagem e instalação das peças de uma aeronave conferiu, em 2018, um salário médio anual de 48.090 euros (53.340 dólares).
  7. Introdução de dados no sistema: esta profissão terá um decréscimo de 187.300 vagas para 143.900 lugares, uma queda de 23,2%. A inserção manual dos dados nos sistemas de computadores deixará de ser necessária. Contudo, o ano passado, o salário médio anual desta profissão chegou aos 29.010 euros (32.170 dólares).
  8. Operador de telecomunicações: o número de pessoas empregadas nesta função deverá descer dos 73.400 para 55.900 em 2028, uma queda de 23,8%. O trabalho de dar suporte e operar equipamentos de sistemas telefónicos e quadros de distribuição “valeu” a esta profissão um salário médio anual de 26.530 euros (29.420 dólares) em 2018.
  9. Serviços de correios – classificadores e separadores de correio e operadores de máquinas de processamento dos serviços postais: nesta área o emprego deverá cair de 99.700 postos de trabalho para 76.000 postos, uma queda de 23,8%. O trabalho de preparação, classificação e separação do correio para distribuição reteve de salário médio anual, em 2018, 52.990 euros (58.770 dólares).
  10. Operadores de computador: este tipo de trabalho deverá ter um decréscimo de 36.800 postos para 28.000 nos próximos oito anos, uma queda de 24,1%. Monitorizar e controlar computadores e outros equipamentos eletrónicos de processamento de dados gera um salário médio anual de 41.330 euros (45.840 dólares).
  11. Motorista de veículos de transporte das minas: o número de pessoas nesta função deverá descer de 1.700, em 2018, para 1.300, em 2028, uma queda de 25,3%. Esta profissão tem como objetivo operar carros de transporte para transportar material nas minas. O seu salário médio anual de 2018 foi de 50.800 euros (56.340 dólares).
  12. Carteiros: nos próximos oito anos, o número de empregos nesta área deverá cair de 13.300 para 9.600 posições, uma queda de 27,5%. Gerir e administrar o correio, além dos seus funcionários, é um trabalho que, no ano passado, auferiu um salário médio anual de 68.500 euros (75.970 dólares), contudo está em vias de extinção.
  13. Operadores de call center: o número de trabalhadores empregados nesta função deverá descer dos 5.700 para os 4.100 em 2028, uma queda de 28,4%. O trabalho de atendimento ao cliente via telefone deixará de existir como o conhecemos, passando a ser, cada vez mais, automatizado. O salário médio anual, em 2018, para esta função rondou os 33.580 euros (37.240 dólares).
  14. Cortadores e aparadores: esta função terá um decréscimo de 10.700 posições para 7.700 em 2028, uma queda de 28,4%. Esta profissão prende-se com a utilização de ferramentas manuais para cortar materiais como carpetes, tecidos, vidros ou pedras e obteve um salário médio anual, em 2018, de 26.500 euros (29.390 dólares).
  15. Técnicos de instalação e reparação eletrónica em veículos: os números nesta profissão deverão descer de 11.000 postos de trabalho para 7.900, uma queda de 28,6%. Esta profissão tem por base instalar e reparar equipamentos de áudio, segurança, navegação entre outros equipamentos eletrónicos nos veículos. O seu salário médio anual em 2018 foi de 32.090 euros (35.590 dólares).
  16. Relojoeiros: os números de trabalhadores a entrarem nesta profissão irá cair de 3.000 para 2.100 em 2028, uma queda de 29,6%. A profissão que fabrica e repara relógios obteve um salário médio anual, no ano anterior, 35.980 euros (de 39.910 dólares).
  17. Processadores de texto e datilógrafos: prevê-se que o emprego nesta área caia de 60.400 postos de trabalho para 40.000 postos, uma queda de 33,8%. Este emprego tem como função usar o computador ou o processador de texto para digitar letras e textos, tendo auferido de salário médio anual, em 2018, 35.840 euros (39.750 dólares).
  18. Agentes de fiscalização de estacionamento: nesta área parece existir um decréscimo acentuado, passando de 8.600 empregos para 5.400 em 2028, uma queda de 36,7%. A patrulha das ruas e de veículos mal estacionados (como a EMEL, por exemplo), com o objetivo de emitir multas aos condutores, obteve de salário médio anual, em 2018, nos EUA, 35.920 euros (39.840 dólares).
  19. Técnicos de terapia respiratória: prestar cuidados respiratórios sob a direção de terapeutas ou médicos é um trabalho que apresenta uma queda de procura de 57,5%, sendo esta a segunda maior percentagem no que toca à extinção de empregos. De 9.300 postos de trabalho para os terapeutas respiratórios, em 2018, estes lugares irão cair para 3.900 em 2028. Segundo os dados do Department of Labor’s O*NET, o salário médio anual para esta função foi de 46.310 euros (51.210 dólares).
  20. Operadores de manutenção de comboios: esta é a profissão que apresenta a queda mais drástica de todas. Podendo passar de 500 postos de trabalho para 200 em 2028, uma queda de 68,3%. A verdade é que já não há muitas pessoas a ocuparem a função de operadores, há poucos trabalhadores a fazerem manutenção deste transporte, a monitorizar os instrumentos dos comboios, a prestar atenção aos equipamentos de arrasto, obstáculos nas vias de passagem e aos sinais do veículo durante a viagem, inclusive aos sinais que estão nas passagens. A verdade é que já raramente vemos alguém nesta função. Em 2018, o salário médio anual para esta função rondou os 57.710 euros (63.820 dólares).

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Carteiros em perigo de extinção? 20 profissões que vão desaparecer nos EUA na próxima década

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião