Antártida tem mais colónias de pinguins-imperador do que se pensava

  • Lusa
  • 5 Agosto 2020

Imagens de satélite revelam que há quase mais 20% de colónias de pinguins-imperador na Antártida do que se pensava anteriormente, totalizando 61, divulgou a Agência Espacial Europeia.

Imagens de satélite revelam que há quase mais 20% de colónias de pinguins-imperador na Antártida do que se pensava anteriormente, totalizando 61, divulgou esta quarta-feira a Agência Espacial Europeia (ESA), que colocou os satélites na órbita terrestre.

Os dados obtidos por dois satélites europeus de observação da Terra permitiram a cientistas da organização britânica British Antarctic Survey, focada na investigação das regiões polares, identificarem 11 novas colónias de pinguins-imperador a partir das suas fezes.

Manchas “gigantes” de excrementos foram localizadas no gelo devido à resolução de imagens fornecidas pelos dois satélites, incorporados no programa europeu Copernicus, refere a ESA em comunicado.

Apesar de a identificação de novas colónias de pinguins-imperador ser “uma boa notícia”, um dos autores do estudo e geógrafo Peter Fretwell ressalva que se trata de “colónias pequenas”, que aumentam a população da espécie entre 5% a 10%, para “pouco mais de meio milhão de pinguins”.

De acordo com os resultados do estudo, divulgados na publicação de acesso aberto Remote Sensing in Ecology and Conservation, a maioria das colónias recém-descobertas encontra-se nas margens da faixa de reprodução dos pinguins-imperador, zonas em risco por causa do degelo provocado pelo aquecimento global.

Citado no comunicado da ESA, o investigador Philip Trathan, que dirige o departamento de Biologia da Conservação do British Antarctic Survey, avisa que “os locais de reprodução estão em pontos onde projeções recentes sugerem que os pinguins-imperador vão diminuir”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Antártida tem mais colónias de pinguins-imperador do que se pensava

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião