Commerzbank passa de lucros a prejuízos de 96 milhões até junho

  • Lusa
  • 5 Agosto 2020

O Commerzbank, segundo maior banco comercial privado da Alemanha, passou de lucros a um prejuízo de 96 milhões de euros até junho deste ano, devido às provisões para crédito malparado.

O Commerzbank anunciou esta quarta-feira um prejuízo de 96 milhões de euros no primeiro semestre, contra lucros líquidos de 401 milhões de euros um ano antes, devido a provisões para crédito malparado no âmbito da pandemia.

No entanto, o Commerzbank, segundo maior banco comercial privado da Alemanha, também informou esta quarta-feira que no segundo trimestre alcançou um lucro líquido atribuível de 220 milhões de euros, menos 21,1% do que no ano anterior.

O Commerzbank, que acaba de nomear Hans-Jörg Vetter para presidente do conselho fiscal, apesar de não ser do agrado do investidor norte-americano Cerberus, aumentou as receitas líquidas com juros para quase 2,6 mil milhões de euros (+3,7%). As receitas de comissões subiram 10,7% para quase 1,67 mil milhões de euros.

“No segundo trimestre, conseguimos um resultado positivo apesar da Covid-19 e apoiar os nossos clientes a ultrapassar as consequências da pandemia”, disse o presidente cessante do Commerzbank, Martin Zielke, que se demitiu há um mês e deixará o cargo antes do final do ano.

O segundo maior banco comercial privado da Alemanha criou provisões para crédito malparado no valor de 795 milhões de euros no primeiro semestre, contra 256 milhões de euros um ano antes, antecipando que clientes possam não ser capazes de reembolsar os empréstimos devido à pandemia. Do total das provisões, 175 milhões de euros dizem respeito a um único crédito.

Os efeitos da pandemia também tiveram um impacto negativo de 131 milhões no segundo trimestre, segundo os cálculos provisórios. A qualidade da carteira de empréstimos permanece elevada, devido à grande redução dos riscos nos últimos anos, e a taxa de créditos problemáticos é de apenas 0,8%, refere o banco.

O Commerzbank tem um rácio capital sobre os ativos ponderados pelo risco (TEC 1) de 13,4%, contra 12,9% um ano antes. O banco alemão também teve uma perda operacional de 74 milhões de euros no primeiro semestre, em comparação com um lucro de 555 milhões de euros um ano antes.

O rácio de eficiência no negócio operacional incluindo contribuições obrigatórias foi de 82,5%, contra 81,1% um ano antes. O banco reduziu os custos operacionais para 3,03 mil milhões de euros, menos 3,7% que no mesmo período de 2019.

Desde o início da crise da covid-19, o Commerzbank recebeu 21.000 pedidos de financiamento para um volume de 20 mil milhões de euros e aprovou empréstimos do banco estatal de crédito para a reconstrução e o desenvolvimento (KfW) no valor de sete mil milhões de euros.

O Commerzbank considera que está a fazer progressos na digitalização e que os utilizadores do seu portal bancário na Internet e da sua aplicação móvel atingiram um recorde de 2,7 milhões em junho.

O banco espera que as receitas da divisão da banca privada e de pequenas empresas se mantenham se não houver um segundo confinamento, as atividades económicas recuperarem gradualmente e os programas de apoio governamental sejam eficazes.

Mas o Commerzbank prevê um maior impacto da pandemia da covid-19 nas grandes empresas. Devido às provisões e possíveis custos de reestruturação, o Commerzbank prevê fechar 2020 com prejuízos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Commerzbank passa de lucros a prejuízos de 96 milhões até junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião